Jerry Lee Lewis, pioneiro do rock n' roll, morre aos 87 anos

Imagem de arquivo: O cantor Jerry Lee Lewis em apresentação em Los Angeles em 2010. REUTERS/Fred Prouser/Arquivo

Por Bill Trott

LOS ANGELES (Reuters) - O pioneiro do rock norte-americano Jerry Lee Lewis, que estava dividido entre sua educação bíblica e seu desejo de fazer rock 'n' roll infernal com sucessos como "Great Balls of Fire" e "Whole Lotta Shakin' Goin' On", morreu aos 87 anos.

Lewis faleceu de causas naturais em sua casa em Desoto County, Mississippi, com sua esposa, Judith, ao seu lado, disse seu agente. O músico esteve doente nos últimos anos e sofreu um AVC em 2019.

Assim como a guitarra de Chuck Berry, o piano de Lewis foi essencial na formação do rock 'n' roll em meados da década de 1950. Ele fazia parte do deslumbrante grupo de talentos da Sun Records em Memphis, no Tennessee, que incluía Elvis Presley, Johnny Cash, Carl Perkins e Roy Orbison. Lewis sobreviveu a todos eles.

Lewis, também conhecido pelo apelido de "The Killer" ("O matador") foi um dos primeiros artistas introduzidos no Hall da Fama do Rock 'n' Roll em 1986 e foi tão influente, que quando John Lennon o conheceu nos bastidores de um show em Los Angeles, o Beatle caiu de joelhos e beijou seus pés.

Lewis encheu seus álbuns não apenas com rock inovador, mas com gospel, country e rhythm and blues, com canções como "Me and Bobby McGee" e "To Make Love Sweeter for You", enquanto enfrentava uma vida muitas vezes cheia de álcool, drogas e tragédias. Sua música às vezes foi ofuscada por escândalos - incluindo seu casamento com sua prima de 13 anos, Myra, em 1957.

Em seu auge, ele se apresentava com ousadia, originalidade e um comportamento de palco lascivo de homem selvagem que emocionava suas jovens fãs tanto quanto deixava seus pais inquietos. Normalmente, Lewis chutava o banco do piano e batia no teclado com o pé enquanto seus longos cabelos loiros e ondulados caíam em seu rosto.

Segundo a lenda, Lewis uma vez ficou tão chateado por Chuck Berry ter sido escolhido para encerrar um show por causa dele que terminou seu set com um movimento difícil de superar - incendiar o piano e sair andando.

"Eu sou um filho da puta brincalhão e travesso que toca piano", Lewis disse uma vez à revista Time em seu sotaque da Louisiana. "Um filho da puta malvado. Mas um ótimo filho da puta."

Ele se interessou pelo piano aos 4 anos e aos 10 já se esgueirava em casas noturnas de beira de estrada para ouvir artistas de blues. Lewis absorveu uma variedade de influências musicais, especialmente os discos de Jimmie Rodgers que pertenciam a seu pai, um fazendeiro que foi preso por contrabando.

A família de Lewis frequentou a igreja Assembléia de Deus e sua mãe garantiu que ele estivesse completamente informado sobre os males do álcool, dos cabarés e da promiscuidade. Mas Lewis tinha a intenção de experimentá-los em primeira mão, e começou a tocar piano em bares ainda adolescente. Sua mãe, chateada com a ideia de seu filho tocar a música do diabo, o enviou para uma faculdade religiosa no Texas.

Acabou sendo uma breve estadia, já que Lewis supostamente foi expulso da escola por tocar uma versão boogie-woogie da música "My God is Real" ("Meu Deus é Real") durante uma assembléia. O incidente mostrou a dicotomia com a qual Lewis teve que conviver.

"O homem é torturado", disse a ex-esposa Myra Lewis à revista People. "Jerry Lee acha que Jerry Lee é muito mau para ser salvo."

Como o próprio Lewis disse uma vez: "Estou arrastando o público para o inferno comigo".

(Reportagem de Bill Trott; reportagem adicional de Lisa Richwine)