Bolsonaro ignora perda bilionária da Petrobras e diz que militar indicado por ele "arrumará" estatal

·1 minuto de leitura
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images

Mesmo depois de um dia caótico motivado pelo anúncio de troca na chefia da Petrobras, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a afirmar que há muita coisa errada na estatal e afirmou que o seu indicado, o general reformado Joaquim Silva e Luna, irá "dar uma arrumada" na empresa.

Acusado de interferir na estatal, Bolsonaro rejeitou as acusações e ressaltou que não mandou baixar preço dos combustíveis. A um apoiador, ele garantiu que a substituição de Roberto Castello Branco pelo militar reformado será benéfica.

Leia também

"Tem muita coisa errada... o novo presidente vai dar uma arrumada lá, pode deixar. Vocês vão ver a Petrobras como vai melhorar. Assim como se tiver que fazer qualquer mudança nós faremos", afirmou o presidente aos apoiadores, de acordo com a agência Reuters, nessa terça-feira (23). 

O anúncio da troca no comando da empresa veio já na última sexta-feira (19). Com mandato até março, Castello Branco esperava ser reconduzido pelo Conselho da estatal.

Diante da ação inesperada do presidente, criou-se uma crise de confiabilidade nas políticas do governo. Só na segunda-feira (22), ações da Petrobras desabaram mais de 20%. A estatal perdeu R$ 74 bilhões em valor de mercado. 

O Conselho de Administração da Petrobras está reunido nesta terça para confirmar ou não a indicação de Silva e Luna ao cargo.