Jackson Antunes lembra agressão na época de "A Favorita": "Tive trombose"

Jackson Antunes como Léo em "A Favorita". Foto: divulgação/TV Globo

O Léo de “A Favorita” é um papel marcante na carreira de Jackson Antunes. De tão odiado pelo público, o ator chegou a ser agredido na rua, na época em que a novela, agora disponível na íntegra no Globoplay, foi exibida pela primeira vez, em 2008. Empurrado por um desconhecido, o intérprete chegou a ficar internado no hospital.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários.

Na trama de João Emanuel Carneiro, o personagem agredia verbal e fisicamente a mulher, Catarina (Lilia Cabral), e a filha, Mariana (Clarice Falcão).

Leia também:

“Sou muito risonho, sou da roça, de bem com a vida. Dei uma gargalhada achando que se tratava de uma brincadeira. Ele me empurrou de tal forma que tive uma trombose na perna. Boa parte da novela eu fiz na cadeira de rodas, minha esposa me acompanhava, aplicando remédio na minha barriga”, recorda, em entrevista ao portal Uol.

A rotina de gravações, por si só, já era pesada, com tantas cenas difíceis por dia. “Toda vez que terminava uma cena eu pedia desculpas para a Lilia. Era muito difícil. Mesmo na ficção, mesmo inventado, faz mal. Não tinha uma cena que dava um refresco, todas eram pesadas: aquele homem horrível humilhando a mulher. Psicologicamente ou fisicamente”, conta.

Jackson comemora, no entanto, o debate que a trama de Léo e Catarina provocou à época. “Na época, as agressões domésticas caíram 24%. Ter o opressor e o oprimido discutindo aquilo no horário nobre levou algumas pessoas a uma reflexão, e algumas mulheres a tomar atitudes, a não aceitarem aquilo. A gente fica feliz quando nosso trabalho vai além do entretenimento”, analisa.

Após a quarentena, o ator volta ao ar em “Nos Tempos do Imperador”, próxima novela das 18h. Ele dará vida ao Duque de Caxias, conselheiro de Dom Pedro II (Selton Mello). “Estava muito focado, mas acho que a emissora teve uma atitude muito digna [com a paralisação das gravações]. Acho bonito quando uma empresa se preocupa com a vida, com a saúde de seus profissionais. A vida acima de tudo. Por isso estamos em casa”, avalia.