J.K. Rowling apoia homem que disse preferir ter Aids a defender comunidade trans

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A autora da saga "Harry Potter", J.K. Rowling, foi novamente acusada de transfobia, na semana passada, após a publicação de um tweet celebrando o retorno de um internauta à rede, que havia o banido por postar que preferia ter Aids a apoiar a comunidade transgênero.

"Seja bem-vindo de volta", escreveu Rowling ao usuário @Jebadoo2. "Preferia ter Aids a apoiar a comunidade trans", escreveu ele antes de ser bloqueado. "[A Aids] não castrou garotos inocentes e eu saberia como combatê-la."

Essa não é a primeira vez que a escritora se envolve numa polêmica de assuntos relacionados à transexualidade e identidade de gênero. Estimulando debates virtuais, que trazem hashtags pró e anti-Rowling, ela frequentemente é vista em discussões online calorosas.

Fora das redes, a escritora também vem causando alvoroço nos últimos anos. Sua série de livros "Cormoran Strike", por exemplo, narra a história de um serial killer que se disfarça de mulher para cometer crimes contra mulheres cisgênero, o que incomodou vários ativistas trans e foi taxado como transfóbico.

As críticas à britânica são tão fortes que ela chegou até mesmo a dizer que recebe ameaças de morte. "Recebi tantas ameaças de morte que agora poderia colocá-las de papel de parede", disse a romancista, no Twitter, em 2020.

"Se sexo não é real, não existe atração entre pessoas do mesmo sexo. Se sexo não é real, a realidade vivida por mulheres ao redor do mundo é apagada. Conheço e amo pessoas trans, mas apagar o conceito de sexo remove a habilidade de muitos discutirem suas vidas de forma significativa. Não é ódio dizer a verdade", afirmou, no mesmo ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos