Iza leva a mãe para tocar piano no Rock in Rio em show pioneiro e seguro

RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL, 04-09-2022: Show da cantora Iza, no palco Mundo, durante o terceiro dia do primeiro final de semana do festival Rock in Rio, no Parque Olímpido, na zona oeste do Rio de Janeiro. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL, 04-09-2022: Show da cantora Iza, no palco Mundo, durante o terceiro dia do primeiro final de semana do festival Rock in Rio, no Parque Olímpido, na zona oeste do Rio de Janeiro. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Iza fez um show seguro, em que reverenciou personalidades negras, no telão e no repertório de seu show no Rock in Rio. Ela cantaria no primeiro horário do palco Mundo, onde se apresentou em 2019, mas acabou herdando a vaga do Migos, trio de trap americano que cancelou a vinda ao Brasil.

Ela surgiu do meio do público para cantar "Pesadão", hit que marcou sua transformação de cantora de covers no YouTube a estrela do pop nacional. A plateia ainda não estava cheia, já que o público se deslocava do show de Luísa Sonza e Marina Sena, que havia acabado no palco Sunset.

Iza é a primeira mulher preta brasileira a cantar no palco principal do Rock in Rio, e aproveitou o momento histórico para reverenciar outras personalidades negras. Logo no começo, exibiu imagens de gente como Dona Ivone Lara, Martinho da Vila e Ludmilla.

O show seguiu quente com "Gueto", "Ginga" e "Meu Talismã", que o público acompanhou cantando junto. Iza também mostrou uma faixa inédita, "Droga", da letra "se viciou na droga, quer beijar minha boca", recebida com alguma indiferença.

Após um interlúdio de funk, ela destacou sua banda de acompanhamento numa espécie de medley que misturou melodias e letras de músicas de gente como Michael Jackson, Beyoncé e Jorge Ben Jor. Apesar de fazer um pop dançante, no Rock in Rio ela cantou com uma banda numerosa, com sopros e batuques, colorindo, mas deixando arrastadas algumas performances.

O momento mais emocionante foi quando ela exaltou sua ancestralidade, exibindo uma mensagem com mulheres negras --entre elas, Taís Araujo, Djamila Ribeiro, colunista deste jornal, Majur e Zezé Motta-- no telão. Isso logo antes de cantar "No Woman no Cry" com sua mãe, Isabel Cristina, tocando piano.

O público aplaudiu muito quando ela recebeu da progenitora uma coroa. Foi também quando a plateia ensaiou um coro tímido de xingamentos ao presidente Jair Bolsonaro, do Partido Liberal.

Num dia pop, com muitas atrações que apelam à dança, o show de Iza acabou um tanto morno, com "Fé" e "Dona de Mim". Nesse momento, muitos fãs já se espremiam para conseguir um lugar privilegiado para ver Justin Bieber e Demi Lovato, as grandes atrações do dia.