Iza e Alcione celebram música negra no palco Sunset do Rock in Rio

LUCAS BRÊDA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Uma das vozes mais potentes da nossa música contemporânea, Iza recebeu Alcione no palco Sunset do Rock in Rio. "Minha maior inspiração, uma das maiores cantoras da música brasileira de todos os tempos", disse a mais jovem.

Com uma presença magnética, a histórica sambista chegou colocando uma multidão para cantar com "Não Deixe o Samba Morrer". O show, neste domingo (29), foi um dos mais celebrados do palco secundário do festival.

Trocando elogios, elas mostraram entrosamento e uma ligação profunda com a música negra, seja ela o samba ou o soul. Elas mostraram técnica afiada na versão de "Chains", de Aretha Franklin, emocionaram com "Você Me Vira a Cabeça"."Traz a minha cadeirinha", pediu Alcione, cansada, ao fim do show. Elas ainda dividiram o microfone no hit "Meu Ébano" e no samba "Gostoso Veneno".Com uma satisfação contagiante, Iza lembrou do Rock in Rio de 2015, em que ficou emocionada ao ver o show do cantor inglês Sam Smith. Ela disse que "ajoelhou e pediu a deus" para tocar em uma edição futura do festival. Na época, ela era conhecida por fazer covers de músicas famosas no YouTube, fama que a fez ser contratada pela Universal. Sua estreia em disco foi no ano passado, com "Dona de Mim", que mistura influências do axé ao hip-hop, tendo a música pop eletrônica como fio condutor.

No Rock in Rio, ela se apresentou com uma numerosa banda, dando mais variação e balanço às performances. Músicas como "Toda Sua", "Ginga" -single em parceria com Rincon Sapiência-, o reggae "Brisa" e a romântica com sabor R&B "Meu Talismã" soaram grandiosas com a instrumentação ao vivo.

Nas mais eletrônicas, como "Bateu", ela conquistou o público com danças intensas, praticamente largando o microfone para se dedicar aos passos. Ela até chamou uma menina de 9 anos, Luana, que rebolou com Iza e conquistou a simpatia irrestrita da plateia.

Por estar em uma grande gravadora, Iza naturalmente tem mais abertura nas escalações de festivais grandes como o Rock in Rio. A participação efusiva e constante de uma multidão, como já havia sido no Lollapalooza deste ano, contudo, justifica a presença dela em horários até mais privilegiados desses eventos.

Um dos pontos altos foi uma versão de "Maria Maria", clássico de Milton Nascimento, com o público carioca cantando junto e batendo palmas. O show acabou com "Dona de Mim" e "Pesadão", o single mais conhecido de Iza, que deixou o palco extasiada.