Iza afirma já ter sofrido assédio sexual e que 'ser mulher é ser sobrevivente'

LEONARDO VOLPATO
**ARQUIVO** RIO DE JANEIRO, RJ, 28.09.2019 - A cantora Iza. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Iza, 29, revela que já sofreu com assédios sexuais e que já foi até perseguida na rua na época em que fazia faculdade. Para ela, porém, a frustração apareceu quando tentou ser ouvida sobre o assunto. Ninguém deu ouvidos a ela.

Hoje, ao relembrar essa situação, ela tem em mente, de forma muito clara, que nenhuma mulher deveria passar pelo que ela passou. Porém, sabe que é difícil, já que situações como essa acontecem diariamente.

Em entrevista à reportagem, Iza também fala da importância da sororidade, da celebração do Dia Internacional da Mulher e que sua mãe é o seu maior símbolo feminino.

"Uma coisa que eu acho que acontece com as mulheres no meio da música, desde sempre, e a comparação. A gente é sempre comparada o tempo inteiro em todos os quesitos. E isso é uma coisa que eu sinto que não acontece tanto com os homens", diz a cantora carioca.


PERGUNTA - Quando fala em Dia Internacional da Mulher, o que vem a sua mente?

IZA - Vem à minha mente um dia em que deveria ser celebrado sempre. E também me traz um sentimento de muita união. Eu fico muito feliz com as mensagens que a gente troca ao longo desse dia. E eu, inclusive, acho que isso é uma coisa que a gente deveria fazer ao longo do ano inteiro.


P - É importante ter um dia dedicado à mulher?

IZA - É necessário. Existem muitas coisas que ainda precisam mudar para que a gente se sinta segura dentro de uma sociedade, para que a gente se sinta representada em todas as áreas, e se sinta operante em todas as áreas. Ainda falta muita coisa. Então, ter um dia como esse, no qual a gente não só celebra a nossa grandeza, mas também fala de todas as coisas e conquistas que ainda precisam acontecer, é sim super necessário.


P - Ser mulher é ...

IZA - Ser mulher é ser... No Brasil? Sobrevivente. Ser mulher é ser combatente. É ser guerreira, é ser, não sei, uma divindade (risos).


P - O foco do Dia Internacional da Mulher é a igualdade de direitos. Tem como tema "Eu sou a Geração Igualdade: Concretizar os direitos das mulheres". O que já IZA - melhorou? O que piorou? Ainda há muito a avançar?

Ainda tem muita coisa a avançar. Às vezes, inclusive, a gente tem a sensação de que a gente caminhou, mas acontecem algumas coisas que fazem a gente desacreditar um pouco nos avanços. Mas eu acho que o avanço está aí, sabe? Mas, sim, ainda tem muita coisa para acontecer. O que eu sinto que mudou bastante, pelo menos a meu ver -isso é uma experiência minha-, e que eu acho que é fundamental para que tudo continue acontecendo, é mesmo a questão da sororidade e da cumplicidade entre mulheres, sabe? Essa coisa dos sorrisos gratuitos, dos elogios, de você se proteger, de você estar em algum lugar público e estar atenta as outras mulheres, estar atenta a alguma necessidade que alguma amiga possa estar passando. A gente tem falado mais sobre isso, sobre como nós precisamos nos respeitar, como o mundo já é muito cruel com a gente.


P - Qual a sua principal insatisfação em seu ambiente de trabalho por ser mulher?

IZA - Uma coisa que eu acho que acontece com as mulheres no meio da música, desde sempre, e a comparação. A gente é sempre comparada o tempo inteiro em todos os quesitos. E isso é uma coisa que eu sinto que não acontece tanto com os homens. E ao mesmo tempo também, no meio musical, isso é uma coisa que eu posso afirmar, eu não vejo muitas de nós no backstage. Se somos poucas na frente do palco, imagina então para a galera que é rodie, galera que é da técnica, da iluminação. Quase não nos vejo atrás do palco, isso é uma coisa que não acontece só na música, acontece no cinema, enfim, em vários outros meios. Que ano é hoje, né, gente? (risos).


P - Você já foi vítima de assédio sexual? Como lidou com isso? Agiria de outra forma hoje?

IZA - Eu já fui vítima de assédio sexual, acho que como qualquer mulher neste país. A gente andar na rua já é correr esse risco. Eu pegava três ônibus para ir para a faculdade, pegava ônibus para ir para o meu trabalho, vários outros tipos de condução, metrô, trem, essas coisas, e a gente está sempre passando por isso em ambientes públicos. Já tive a sensação de ser perseguida, já fui perseguida e é muito complicado. Já tive diversas reações. Às vezes a gente se cala com medo, daqui a pouco a gente fica com muita raiva, começa a reagir, começa a responder. E aí todas as vezes que eu respondia era sempre um bate-boca infundado e sempre me fazia mal também. Para mim não resolvia. Enfim, é muito complicado a gente aprender a lidar com isso. Eu não acho que a gente tem que aprender a lidar com isso. Eu simplesmente acho que isso não deveria acontecer. É muito complicado as pessoas ficarem apontando 'Ah, por que que você não fez? Por que que você não agiu de tal forma?' quando alguém se diz vítima de assédio. A gente não tem que saber lidar com isso, mano. Isso não tem que acontecer.

Qual a importância de movimentos como #MeToo e #TimesUp, que chamaram a atenção para o assédio sexual dentro e fora do ambiente de trabalho?

Eu acho que movimentos assim são muito importantes porque fazem com que muitas mulheres criem coragem, não se sintam sozinhas na hora de falar. É muito complicado, eu já passei por isso. Eu já falei no trabalho que eu era vítima de assédio e nada aconteceu. Eu não fui ouvida. Graças a Deus a chefe era minha amiga e ela me conhecia e isso não me fez perder o emprego, mas sei lá o que aconteceria. Eu acho que é o medo que muitas mulheres têm. Quando você paga suas contas, quando você tem um filho para sustentar, quando você tem seus projetos e todas as preocupações que dependem do seu trabalho é muito complicado a gente falar sobre reação a isso, sobre ter coragem para falar sobre isso. Então eu acho que quanto mais mulheres têm coragem para denunciar esse tipo de coisa melhor para outras mulheres que se sentem presas também, que têm medo de serem incompreendidas ou questionadas, que é o que acontece na maioria das vezes.


P - Há ainda diferença salarial entre as artistas mulheres e homens? As artistas brasileiras deveriam ter criado um movimento semelhante?

IZA - Na verdade essa história de rivalidade feminina é uma coisa até que se tornou um mito. É uma coisa que a sociedade alimenta, isso é uma coisa que a sociedade faz questão de alimentar comercialmente, socialmente, a todo momento. E eu creio que, com certeza, de uns tempos para cá, tenho sentido que isso tem melhorado não em relação à sociedade, mas à forma como nós reagimos a isso. Porque isso é uma coisa que sempre existiu. Então eu vejo que a gente está cada vez mais unida entendendo cada coisa como o machismo pode ser minucioso e sutil ao longo do dia, como isso está dentro da gente por conta da nossa criação. Como é cruel, né? Quanto mais a gente fala sobre isso mais a gente aprende a lidar com essas coisas e a ensinar às outras pessoas.


P - Qual a importância das mulheres em cargos de Poder?

IZA - Eu acho que é toda, né? O feminismo é isso... Oportunidades iguais para todos. Não só direitos, mas deveres iguais para todos. A gente tem que se ver em todos os lugares. Não é normal a gente não se ver em todos os lugares.


P - Como podemos melhorar e ter igualdade de gênero no Brasil?

IZA - Eu acho que cabe muito aos contratantes, às pessoas que estão nos cargos de poder, às pessoas de RH, às pessoas que recrutam. Não existe cargo feminino ou masculino. Não existe isso. Para mulher. Para homem. A gente tem que parar de falar sobre isso. Eu acho que cabe a essas pessoas entenderem que nós vivemos uma outra era e que, sim, a gente precisa abrir os olhos para todos. Todos devem ter a oportunidade de se mostrar capazes para preencher algum cargo para estar em algum lugar.


P - Qual a sua principal referência de mulher?

IZA - Minha mãe. Ponto. (risos)


P - Você se considera feminista? Acha ruim ter nome associado a esse termo?

IZA - Eu me considero, não acho. Ai, gente, 2020, pelo amor de Deus. (risos)


P - Você se sente pressionada a se enquadrar em um determinado padrão de beleza? Há um padrão? Essa pressão vem de onde? Como combater esses julgamentos?

IZA - Há um padrão de beleza, sim, óbvio, para as mulheres, imposto. Só não vê quem não quer, né, gente? Existe um padrão do que é bonito. Eu, desde que eu comecei a cantar, já me sinto feliz com meu corpo e entendo que as mudanças e que talvez eu queira fazer partem de mim, não partem de uma sociedade, não partem daquilo que falam para mim. Eu passei por uma cirurgia e, por conta disso, acabei perdendo peso. Por conta de uma nova rotina, algumas pessoas comentaram. Gente, as pessoas perdem peso! E daqui a pouco eu vou ganhar peso de novo e é isso aí porque somos pessoas, né? E eu não acho que os homens sofram essa cobrança, então isso é estritamente voltado para nós mulheres. Eu acho que quando a gente se desamarra disso a gente mostra para todo mundo que acha que existe um padrão que isso é errado, que isso é retrógrado.


P - Mulheres são sempre associadas à maternidade. O que você pensa disso?

IZA - Muitas mulheres acabam se sentindo nessa obrigação. A sociedade muitas vezes cobra da mulher exatamente isso, que ela seja mãe, que ela tenha prazer em ser mãe, que ela tenha esse sonho. Eu, particularmente, tenho esse sonho. Eu quero muito ser mãe, eu quero ter o máximo de filhos que eu puder. Mas eu acho que isso é uma coisa particular minha e eu não acho que todas as mulheres tenham essa obrigação. A gente não é obrigado a nada, sabe? Mesmo. Eu acho que maternidade está atrelada a várias outras questões da vida pessoal também da mulher. E não acho que ninguém tenha o direito de ficar opinando sobre isso.

Ser mulher em 2020 é melhor do que no tempo de sua mãe ou avó? Qual a mudança que você almeja para as crianças que estão nascendo agora?

Ah, com certeza eu não passo por muitas coisas que minha mãe, que minha avó, minha bisavó passaram. Com certeza a vida é diferente para mim. E eu tenho certeza que a próxima geração que vem já não vai passar por muitas coisas que eu passei. E eu acho que isso é progressivo. A gente está no caminho certo. Cada vez mais a gente tem feito mais por nós. E eu creio que o segredo é não desanimar, é não parar, é seguir em frente mesmo.