Ivete Sangalo fala sobre agressão a dois fãs gays em seu show: "deplorável"

Ivete Sangalo lamentou que dois de seus fãs tenham sido agredidos por seguranças (Reprodução/ Instagram)

Ivete Sangalo falou, em entrevista por telefone ao “SuperPop”, sobre o caso de agressão a dois de seus fãs, durante uma apresentação sua no Centro de Tradições Nordestinas, na Zona Norte de São Paulo, no ultimo sábado (11). Os espectadores foram agredidos pelos seguranças do local, enquanto assistiam a um show da baiana, após serem acusados por outro frequentador do local de terem pego sua blusa.

“É algo deplorável, fiquei muito triste, muito decepcionada. Acompanhei de perto com o pessoal do CPM, que me mantiveram informada, tomaram atitudes e trocaram o pessoal da segurança, já tem inquérito na policia. Mas eu acho que tudo que se possa fazer é uma maneira da gente tentar amenizar, mas é tão difícil quando você não tem liberdade para ser o que você é. É tão desumano que eu me sinto infeliz diante disso tudo”, disse a cantora em entrevista à Luciana Gimenez.

Leia mais:
Marina Ruy Barbosa doará cabelos cortados para instituição que cuida de crianças com câncer
Após término de namoro com Calvin Harris, Taylor Swift é flagrada aos beijos com Tom Hiddleston

Ivete Sangalo também comentou o fato de a agressão ter sido acompanhada por comentários homofóbicos e se mostrou indignada. “O público gay é um público que me ensina a amar cada vez mais, é muito amor, muito carinho e muito respeito. A coragem está nestes homens que estão ai no seu palco, reivindicando os direitos deles […] Vocês tem que ser respeitados como indivíduos, independente da orientação sexual”, disse a cantora.

Caio Tomaz da Rocha relatou a agressão em entrevista à TV Globo e revelou os comentários homofóbicos dos seguranças. “A única oportunidade que eu tive para falar pra eles, que eu lembro, que foi: ‘Vocês estão me matando… tô ficando sem ar (…) Aí ele pegava e falava que eu tinha que morrer mesmo, que… gay e ladrão tinha que morrer. E nisso que me pegaram pelo pescoço, me jogaram no chão, começaram a me chutar… vinham muitos seguranças e me chutavam muito”, contou a vítima.