Itália tem recorde de mortos pelo novo coronavírus: 993 em 24 horas

·2 minuto de leitura
O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, usando uma máscara, é refletido em uma porta de vidro enquanto sai durante as partidas de uma cúpula da UE em Bruxelas, em 15 de outubro de 2020. O premier italiano deverá anunciar nesta quinta-feira pela noite outras medidas que restringem a mobilização dentro do país durante as festas de Natal e Ano Novo como parte das medidas para combater a propagação da covid-19.

A Itália registrou 993 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, um número que supera o recorde anterior de 969 óbitos de 27 de março, segundo relatório oficial publicado nesta quinta-feira (3).

Paralelamente foi registrado um aumento dos casos positivos, com 23.200, 2.500 a mais do que na véspera. A região industrial da Lombardia, no norte, foi a mais afetada, com 347 mortes.

"Tratam-se de números que nos fazem tremer", confessou à imprensa Domenico Arcuri, comissário extraordinário para a covid-19.

"O vírus é forte, mas sabemos contê-lo", afirmou, após explicar que não podem ser relaxadas as medidas vigentes neste momento.

"As medidas estão funcionando, mas reconheço que é difícil aceitá-las. Nosso sacrifício tem sido útil", garantiu.

"Não esqueçamos que na Europa se contagia uma pessoa a cada 42 habitantes", confirmou.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, deverá anunciar nesta quinta-feira à noite outras restrições de deslocamentos dentro do país durante as festas de Natal e Ano Novo como parte das medidas para combater a propagação da covid-19.

Nesta quarta, foi aprovado um decreto que determina que de 21 de dezembro até 6 de janeiro de 2021 ficará proibida qualquer viagem de uma região a outra, exceto por motivos de saúde ou de trabalho.

A Itália está dividida em 20 regiões classificadas por cores de acordo com três níveis de risco de contágio: alto, intermediário e médio.

As viagens a regiões com uma situação epidemiológica grave, classificadas em vermelho, já estão proibidas.

Em 25 e 26 de dezembro, assim como 1º de janeiro, será proibido sair do próprio município, exceto por motivos de saúde ou de trabalho.

A Itália, o primeiro país afetado pelo coronavírus na Europa, registrou até agora mais de 58 mil mortes e o governo teme uma terceira onda depois das férias, caso não sejam tomadas medidas restritiva.

Conte deverá detalhar essas ações, entre elas, a renovação do toque de recolher vigente a partir das 22h, segundos fontes da imprensa.

Até agora os restaurantes e bares podem abrir até as 18h, enquanto os cinemas, teatros e casas de shows permanecem fechados.

Segundo vazamentos da imprensa, o governo irá introduzir uma quarentena para os italianos que chegarem do exterior durante as festas de fim de ano e vai anunciar o fechamento das pistas e estações de esqui.

kv/mb/gf/jc/mvv