Isolamento vertical: Lockdown vertical é ineficaz no Brasil neste momento, diz infectologista

Grasielle Castro

Depois de o presidente Jair Bolsonaro minimizar a política de isolamento social para prevenir a contaminação pelo novo coronavírus, grupos de WhatsApp estão sendo invadidos por mensagens de apoio e incentivo ao que tem sido chamado de isolamento vertical ou lockdown vertical. Essa medida significa isolar apenas as pessoas do grupo de risco e é amplamente criticada por profissionais de saúde e desaconselhada pela OMS (Organização Mundial de Saúde). 

Médico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, Jamal Suleiman explica que isolar apenas o vírus podia ter sido uma política adotada no início da pandemia, ao testar todas as pessoas e manter em quarentena apenas aquelas com teste positivo. “Mas desde o início a orientação do Ministério da Saúde foi outra, foi para casos suspeitos com sintomas leves ficarem em casa. Isso foi adotado até porque não tem teste para todo mundo, os testes estão em falta. Se não tem teste, se não sabe quem está com o vírus, vai isolar quem?”, questiona. 

Se não tem teste, se não sabe quem está com o vírus, vai isolar quem?Jamal Suleiman, infectologista

Suleiman é enfático ao dizer que a medida de lockdown vertical neste momento é “descabida”. “Isolamento vertical é fora de propósito nesta altura do campeonato”, frisa. Isso porque, com mais pessoas expostas ao vírus, mais serão infectadas e precisão do sistema de saúde, que tem capacidade limitada e não conseguirá atender a todos. 

À medida que o vírus se dissemina de forma sustentada pela comunidade, segundo o infectologista, não tem como isolá-lo. “Não tem como isolar. Qual a estratégia? A gente precisa tentar entender o que ele (Bolsonaro) está tentando falar. Esse é um discurso sem nexo.” 

Impacto do isolamento na economia

A intenção do presidente é que boa parte da população volte à normalidade, como afirmou em pronunciamento na noite de terça-feira (24) e reafirmou na manhã desta quarta-feira...

Continue a ler no HuffPost