Isis Valverde relembra época em que foi apontada como pivô da separação de Cauã Reymond: 'Vivi mentiras horríveis'

Atriz revelou que foi traída por amigos muito próximos (Reprodução/ instagram.com/isisvalverde)

 

Capa da revista “Rolling Stone” deste mês, Isis Valverde falou sobre sua vida e carreira em uma longa entrevista à publicação. Ao relembrar a má fase que passou entre 2013 e 2014, quando sofreu um verdadeiro linchamento virtual após ser apontada como pivô da separação de Cauã Reymond e Grazi Massafera, e logo depois sofreu um acidente de carro que quase a deixou tetraplégica, a atriz revelou como fez para se reerguer.

“O acidente botou tudo na balança. A vida é efêmera, é passagem. Fui muito traída por amigos próximos, vivi mentiras horrorosas. Comecei a varrer todo mundo pra fora. ‘Sai! Sai daqui!’. Eu não sou santa, tenho milhões de defeitos. Mas eu nunca conspirei contra os outros. Eu não fui criada assim, minha família nunca me instigou a alimentar inveja, ódio, raiva, a desejar o mal de ninguém. Por isso, quando as pessoas armam pra mim, eu caio. Eu não vejo as armadilhas. É bizarro”, contou Isis Valverde à publicação.

Leia mais:
Otaviano Costa revela que sofreu bullying na escola por causa do nome
Bruno Gagliasso é acusado de não pagar dívida de R$ 50 mil

Além de se afastar de quem lhe fez mal, Isis Valverde contou que também aproveitou para se aproximar mais de quem lhe fazia bem. “Ou você aprende a lidar com os imprevistos da vida ou você se ferra. Não tem essa de ‘para a vida por favor, que vou ali fazer um pipi e já volto’. O segredo é você se cercar de pessoas em quem você confia, pessoas com quem você se sente seguro, acolhido. Eu agradeço muito a todas essas pessoas que você vê à minha volta por não me deixarem desistir na hora em que eu queria desistir. Essas pessoas não me deixaram endurecer, porque isso seria o mais cabível a uma menina que veio de onde eu vim, que mudou pro Rio, ficou conhecida, que hoje tem milhões de pessoas perto dela. Ela aprendeu que não é todo mundo que vai gostar dela, que não é todo mundo que vai querer esticar a mão pra ela como era em Minas”, explicou a atriz.