Iphan quer proteger as armas de fogo como objetos de valor cultural para o país

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Iphan, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, criou um grupo de trabalho para estabelecer o valor cultural de armas de fogo, segundo uma portaria publicada em 28 de maio. O documento é público e teve sua autenticidade confirmada por um servidor do órgão.

O grupo de trabalho tem 30 dias para desenvolver uma proposta com “critérios de avaliação de armas de valor cultural, com vistas a emissão de parecer referente ao valor cultural de material bélico” em geral. A partir dessa avaliação, os objetos seriam então destinados para acervos de museus ou descartados, de acordo com a portaria.

O documento é assinado por Leonardo Barreto, diretor do Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização, um dos cargos mais importantes da gestão patrimonial nacional, sediado em Brasília, e para o qual ele foi nomeado há menos de um mês.

A portaria é um de seus primeiros atos e vem logo após o Iphan, o principal órgão de preservação do patrimônio cultural do país, viver sua maior paralisia em 65 anos —algo que não foi visto nem na ditadura militar— e receber diversos ataques do presidente Jair Bolsonaro.

O grupo de trabalho é composto por duas pessoas, ambas sob a coordenação de Barreto. Uma delas é Adler Homero Fonseca de Castro, professor do mestrado do Iphan com publicações sobre história militar e história do armamento e pesquisador associado do Centro de Pesquisa em História Militar do Exército. Em sua foto no site Academia.edu, que reúne seus artigos acadêmicos, ele aparece em frente a tanques de guerra.

O outro membro é José Neves Bittencourt, membro do Iphan em Minas Gerais. Formado em engenharia elétrica e com mestrado em artes visuais, Barreto, o proponente, é servidor do Iphan há cerca de 35 anos, de acordo com o site do órgão.

Ele atuou na superintendência de Minas Gerais nas áreas de iluminação interna e externa, instalações elétricas e prevenção e combate a incêndios e pânico em bens culturais protegidos pelo órgão. Também foi assessor técnico da presidência.

A portaria foi publicada cerca de uma semana após a revelação de que o secretário especial da Cultura do governo Bolsonaro, Mario Frias, anda armado. Segundo fontes, o ex-ator de “Malhação” usa uma arma na cintura à vista de todos enquanto está na Esplanada.

Frias já apareceu nas redes sociais portando armas de fogo. Em novembro do ano passado, posou ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro, em visita ao Bope, o Batalhão de Operações Especiais, ambos segurando uma arma. "Tiro também é cultura", escreveu Eduardo.