Internautas acusam J.K. Rowling de transfobia por conta de tuíte

Redação


J.K. Rowling causou polêmica nesta quinta-feira, 19, por defender Maya Forstater, uma pesquisadora britânica que perdeu o emprego em uma instituição sem fins lucrativos após ter dito que transgêneros não poderiam mudar de sexo biológico.

Um dos tuítes feitos por Maya Forstater que originou a repercussão trazia: "O que me surpreende é que pessoas inteligentes a quem admiro, que são absolutamente pró ciência em outras áreas e campeões de direitos humanos e direitos das mulheres estão esquivando de dizer a verdade, que homens não podem se tornar mulheres (porque isso poderia ferir os sentimentos dos homens)".

A funcionária não aceitou a demissão e foi à justiça britânica pedir a renovação do contrato, o que foi recusado pelo juiz. O caso ganhou repercussão na Inglaterra, e a criadora de Harry Potter decidiu se manifestar a favor de Maya.

"Vista-se como quiser. Chame a si mesmo como quiser. Durma com qualquer adulto que consinta. Viva sua melhor vida em paz e segurança. Mas forçar mulheres a deixarem seus empregos por afirmarem que o sexo é real?", escreveu no Twitter.

Algumas pessoas concordaram com a escritora, enquanto outras acusaram J.K. Rowling de transfobia.

Um dos comentários que mais repercutiu contra o pensamento da escritora foi de uma mulher trans que lia os livros de Harry Potter desde criança como uma fuga.

"Eu costumava escolher nomes de personagens para dar a mim mesma antes de me sentir confortável em assumir quem eu era. Sua decisão, de apoiar pessoas que me odeiam e querem me fazer mal, me leva às lágrimas", disse.

VEJA TAMBÉM: 19 revelações de Harry Potter feitas após o fim da série