Incêndio destrói obras de arte em galpão com peças de principais artistas do país

CAROLINA MORAES
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um incêndio destruiu obras de arte em galpão do grupo Alke, em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, com peças de principais artistas do país nesta quinta-feira (25). Obras das galerias Nara Roesler, um dos espaços de arte contemporânea mais importantes do país, e com sedes em São Paulo, Rio de Janeiro e Nova York, e da Simões de Assis estavam no local. Artistas representados pela Nara Roesler afirmam que foram informados do ocorrido naquele mesmo dia à noite, mas que não sabem da extensão do incêndio ou se suas obras foram atingidas. ​De acordo com pessoas próximas à galeria, havia milhares de obras de artistas de peso do mercado global armazenadas ali, entre eles Abraham Palatnik, Antônio Dias, Laura Vinci e Vik Muniz. Eles também dizem que cerca de 1.300 obras do espaço estavam no galpão, o que representa cerca de 80% do acervo da galeria. A assessoria da Nara Roesler diz que ainda não sabem da extensão dos danos e que estão levantando quais obras estavam no espaço, mas que peças foram danificadas. Já a Simões de Assis tinha, no local, 13 esculturas históricas do artista Emanoel Araújo que estavam em trânsito para uma mostra dele nos Estados Unidos. Em nota, o grupo Alke, empresa especializa em logística, afirma que os clientes foram informados do ocorrido e que ainda não há estimativa de valores de obras atingidas no incêndio. "A empresa ressalta, ainda, que estava em dia com Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), licença emitida pelo corpo de bombeiros que comprova legalmente que o estabelecimento está seguro." Outras galerias paulistanas importantes, como a Vermelho, relataram trabalhar com frequência com os serviços da Alke –a empresa faz transportes internacionais, por exemplo. Elas disseram que não tinham obras no galpão naquele momento, no entanto. "Um incêndio de grandes proporções atingiu o galpão da Alke Logística no fim da tarde de ontem. Ainda é cedo para calcular o tamanho da perda irreparável causada pelo incêndio. Hoje estamos de luto pela memória da arte e por nossos colegas, artistas, galeristas, colecionadores e pelos amigos da Alke. Nosso carinho mais sincero a todos", escreveu a galeria Vermelho, nas redes sociais. Segundo o corpo de bombeiros, o incêndio aconteceu às 17h30, na rua Áurea Tavares, 440, e o fogo foi controlado com a ação de dez viaturas. O boletim de ocorrência registra que um empresário do setor de logística, de 33 anos, afirmou que prestadores de serviços, ao abrirem o portão do depósito, viram que o fogo começou na parte superior do armazém.