Imigrantes narram terror em caminhão onde morreram 53 nos EUA: ‘Como se um anjo me salvasse’

José Mario Licona e sua família passaram 18 horas em um caminhão refrigerado sendo contrabandeado para a fronteira entre México e EUA – uma jornada à qual ele se sente com sorte por ter sobrevivido. Outros tiveram menos sorte, incluindo dezenas de migrantes do México e de outros países da América Central, encontrados mortos na segunda-feira depois de serem abandonados em um caminhão na cidade de San Antonio, no Texas.

Ao todo, 53 pessoas morreram na ocasião. Licona sabia muito bem dos perigos de confiar sua vida às gangues que traficam migrantes em caminhões, muitas vezes superlotados e sem ventilação. Mas os contrabandistas, que receberam US$ 13 mil (mais de R$ 68 mil) para levar Licona, sua esposa e os três filhos para o Texas, os deixaram sem escolha, disse ele.

“Quando você faz um acordo, a primeira coisa que você pede [aos contrabandistas]não é para ser colocado em um contêiner, mas durante a viagem eles fazem o que querem”, disse Licona à AFP, em um abrigo na cidade fronteiriça mexicana de Ciudad Juárez. “Muitas vezes eles deixam os contêineres abandonados.”

Licona (um hondurenho de 48 anos) e sua família viajaram em um caminhão da Cidade do México para a cidade de Reynosa, no Nordeste, ao sul de Hidalgo, no Texas. Cerca de 100 pessoas estavam viajando no mesmo veículo, que não foi verificado nem uma vez pelas autoridades mexicanas durante a viagem de mais de mil quilômetros, segundo Licona.

De Reynosa, a família atravessou a fronteira a pé, mas foi mandada de volta pelas autoridades norte-americanas.

O trator-reboque envolvido na tragédia de San Antonio passou por dois postos de controle de imigração no Texas e teve placas clonadas, segundo o governo mexicano. Os investigadores ainda estão tentando estabelecer onde o veículo começou sua jornada.

Foi o segundo desastre desse tipo na cidade em pouco mais de cinco anos. Em julho de 2017, dez imigrantes foram encontrados mortos em um caminhão superaquecido que foi encontrado estacionado do lado de fora de um supermercado Walmart. Em 2003, 19 imigrantes morreram em circunstâncias semelhantes no Texas.

Licona, um lojista, deixou Honduras em maio, depois de ser baleado no braço durante um assalto. A viagem de trailer foi tão cansativa que ele ainda se arrepende, disse ele.

“Estava muito frio. Dei aos meus filhos duas calças, três camisas e uma colcha. Eles dormiram durante a viagem. Trouxemos bebidas de hidratação para eles, mas não quis acordá-los. Graças a Deus estamos aqui”, contou.

Após a travessia do México, a família se entregou a uma patrulha de fronteira dos EUA em uma tentativa frustrada de obter asilo. Eles, agora, esperam ter outra chance de entrar nos Estados Unidos por motivos humanitários.

Os migrantes que estão em abrigos perto da fronteira mexicano-americana disseram que as viagens duram até dois dias com até 400 pessoas amontoadas em um trailer como "animais". Alguns se despem ou desmaiam no calor. Outros evitam comer ou beber para não precisarem urinar.

Quando os recipientes são refrigerados é como estar em um "freezer", segundo uma jovem. Cerca de 6.430 migrantes morreram ou desapareceram a caminho dos Estados Unidos desde 2014, segundo a Organização Internacional para as Migrações.

Destes, 850 foram resultado de acidentes de veículos ou ligados a transporte perigoso, diz a agência das Nações Unidas. Em dezembro, 56 migrantes da América Central com destino aos EUA foram mortos e dezenas ficaram feridos quando o caminhão em que viajavam capotou no estado de Chiapas, no sul do México.

Ciente dos riscos, uma mãe hondurenha que se identificou como Jenny disse que se recusou a entrar em um caminhão no sudeste do México com suas filhas, de oito e 14 anos. Em vez disso, eles continuaram sua jornada sem os traficantes, apesar de terem sido cobrados US$ 7.500 cada (cerca de R$ 40 mil).

“Foi como se um anjo me salvasse”, disse a mulher de 32 anos, que fugiu da violência de gangues em seu país e espera receber asilo nos Estados Unidos por motivos humanitários. “Todo mundo tem o direito de ter uma chance.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos