Idosos gostam de transar, sim! 4 dicas para manter o sexo vivo depois dos 70

Marcela De Mingo
·5 minuto de leitura
Senior couple lies in bed. senior man kisses senior woman in the morning
Sexo após os 50, 60, 70 anos é possível, basta apenas uma atenção maior aos detalhes e às mudanças do corpo (Foto: Getty Creative)

Aos 83 anos, Hattie Wiener virou manchete mundo afora ao contar que não só tinha entrado para o aplicativo de paqueras Tinder, como também já tinha saído com mais de 50 homens em apenas oito meses no aplicativo. O choque com as notícias podem ter surgido de vários aspectos diferentes, mas o principal era a surpresa por uma mulher com a idade de Hattie ter esse tipo de interesse sexual e conseguir tantos pretendentes (todos mais novos que ela!).

É um pensamento comum. Afinal, vivemos em uma sociedade que diz que as mulheres que passam dos 40 (ou ainda estamos na casa dos 30?) são invisíveis. No culto à beleza e à juventude, a mulher de cabelos brancos, que está na melhor idade, é a vovó da família, a senhora aposentada que, claramente, não tem nenhum outro interesse, certo?

Leia também:

Talvez não. A primeira vez que entrei em contato de verdade com a possibilidade de um desejo sexual latente e presente em mulheres da idade de Hattie foi lendo o livro "A Troca", de Beth O'Leary. No livro, uma das protagonistas é Eileen, uma senhora de 79 anos que troca de vida com a neta (que mora em Londres, enquanto ela vive no interior do Reino Unido) por dois meses. O seu objetivo é claro: encontrar o amor novamente depois que o marido a deixou. O que me chamou atenção, no entanto, é que Eileen conhece, por meio de um site de namoros, um homem de idade semelhante que é brutalmente honesto desde o começo, dizendo que não procura nada além de uma relação casual que, claro envolve sexo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Ler a narrativa me fez compreender como é fácil fecharmos as pessoas, principalmente as mulheres mais velhas, em arquétipos que não necessariamente contemplam suas necessidades e buscas. Hattie, aliás, é um ótimo exemplo disso. Uma mulher, que hoje trabalha como coach sexual e de relacionamentos, que é mãe de duas mulheres e avó de três netos, se divorciou aos 50 anos e, há 30, vivia solteira. Não é um pouco demais dizer que o romance, os relacionamentos e o sexo acabaram para alguém que, tão nova, terminou um relacionamento?

Sexo casual e crushes depois dos 50, 60 ou 70? Temos!

Samantha Jones, personagem de Kim Cattrall nos filmes e na série Sex And The City, é uma mulher que chega aos 50 anos mais interessada em sexo do que nunca. A personagem fala abertamente sobre as suas relações, a sua intimidade com o próprio corpo e até o seu desejo de continuar vivendo uma vida livre de relacionamentos sérios, porém, jamais distante do sexo.

Ou seja, apesar das problemáticas da história, Samantha pode ser uma inspiração para muitas mulheres que pensam que a vida sexual acabou depois de uma certa idade. Inclusive, já existem até aplicativos de paquera focados nessa fase da vida no mercado, assim como sites de relacionamento, e basta apenas um pouco de paciência (e talvez alguma ajuda dos mais familiarizados com a tecnologia), para desbravá-los. Fora isso, veja abaixo algumas dicas de como manter o sexo vivíssimo ao chegar na melhor-idade.

1.Aceite (e trabalhe!) as mudanças

O corpo de uma pessoa de 70 anos não funciona da mesma maneira que uma de 20. Isso é fácil de perceber. No entanto, é interessante notar que até mesmo o tempo de ereção, de ejaculação e de desejo sexual varia com o passar da idade. Questões de saúde, como obesidade, também podem interferir no fôlego de uma pessoa mais velha na hora da relação sexual. Isso não é um problema, mas necessita uma adaptação. Entenda essas mudanças como algo natural da vida e busque entendê-las ao invés de rejeitá-las - o autoconhecimento é válido para a vida toda e se aplica mesmo após a juventude. Conversar sobre o assunto com médicos especializados, amigos próximos, buscar aprender sobre o próprio corpo ou estudar dicas na internet podem ser o suficiente para despertar o que funciona ou não para o seu corpo nesse momento.

2.Invista em acessórios sexuais

No caso das mulheres, uma mudança bastante conhecida é a secura vaginal. Ou seja, com o passar do tempo a lubrificação vaginal diminui, o que pode tornar o sexo com penetração bastante desconfortável e dolorido. Por isso, investir em lubrificantes à base de água, por exemplo, ou camisinhas com lubrificante, pode ser interessante para facilitar a atividade. Vibradores, anéis penianos e outros brinquedos conhecidos do mercado podem ser interessantes para manter o estímulo constante - afinal, é um trabalho muscular que, se deixado de lado, pode voltar ainda mais dolorido e desconfortável quando você o retoma.

3.Descubra o prazer de outras formas

Além do tradicional sexo por penetração, a masturbação, o sexo oral e até a massagem entram como aliados nessa redescoberta sexual a dois. Não há porque desistir de manter a vida sexual ativa quando o formato mais conhecido já não funciona tão bem e gera desconfortos. Existem muitas formas de desenvolver o prazer a dois, basta abrir um pouco o leque de opções para descobrir uma que funcione para você.

4.Preze pelo respeito e a honestidade

Independentemente da idade, uma regra é sempre válida: respeito e honestidade em primeiro lugar. Antes de tudo, para que a relação seja prazerosa e interessante para os dois lados, segundo porque esse é um momento da vida em que tudo funciona em um ritmo diferente. Por isso, respeitar os passos dados por cada lado é muito importante para que qualquer relação seja proveitosa, mesmo que ela seja casual.