Ideia de que a pele negra não precisa de protetor solar é mito, diz dermatologista

Alma Preta
·2 minuto de leitura
Uso de protetor solar e hidratação da pele devem ser medidas adotadas durante o Verão e todo o ano. Foto: Pexels
Uso de protetor solar e hidratação da pele devem ser medidas adotadas durante o Verão e todo o ano. Foto: Pexels

Texto: Nataly Simões Edição: Lenne Ferreira

A estação mais quente do ano começou, oficialmente, no dia 21 de dezembro e trouxe com ela a importância dos cuidados com a pele. É uma época que exige atenção reforçada em razão das altas temperaturas em todo o Brasil. Tanto a pele negra como a não negra precisam de uma famosa "skin care" - como dizem as blogueiras. Há, no entanto, doenças que são mais comuns em peles mais escuras.

A médica dermatologista Eliana Chagas explica que as doenças mais comuns na pele negra estão relacionadas à liberação de mediadores químicos e às reações dos melanócitos, que são as células produtoras de melanina.

Uma doença que é mais comum na pele negra e nessa época do ano é o melasma, que pode piorar se não houver uso do fotoprotetor. Há outras doenças comuns na pele negra, independente da época do ano, como as queloides. A pele negra apresenta maior quantidade de fibroblastos, que são responsáveis pela produção de colágeno. Uma produção deste em maior quantidade durante o processo de cicatrização pode levar ao quelóide”, exemplifica a médica, que atua nas áreas de dermatologia clínica, pediátrica e estética com foco na pele negra.

No Verão, um dos cuidados mais comuns é o uso do protetor solar. Essa preocupação com a exposição aos raios solares deve ser levada em consideração durante todas as estações, mas é mais praticada por pessoas brancas. Muitas pessoas negras ainda acreditam que não precisam usar protetor solar, conforme lembra Eliana.

“Há o mito de que a pele negra, por ter mais melanina que os outros tipos de pele, não precisa de fotoproteção. Isso não é verdade. A pele negra é muito propensa a manchas hipercrômicas pós-inflamação caso haja exposição excessiva à radiação ultravioleta e necessita, portanto, de fotoproteção tanto quanto qualquer outro tipo de pele”, pontua.

A médica dermatologista ressalta que toda mudança climática brusca exige maior atenção com a pele negra e não negra. Entre os cuidados regulares está a hidratação oral e tópica, que consiste em ingerir no mínimo dois litros de água por dia e usar creme hidratante específico para a região do corpo e o tipo de pele, além do uso de protetor solar durante todo o ano.

“Os cuidados com a pele negra ou branca são basicamente os mesmos, respeitando as características individuais. Uma boa avaliação dermatológica, fotoproteção, hidratação, cuidados específicos que serão determinados de acordo com o seu tipo de pele (seca, oleosa, mista)”, finaliza Eliana.