“Hoje o Brasil todo, sem classe social, escuta rap”, afirma Hungria

·2 minuto de leitura

O rap, hip hop e o trap voltaram a fazer parte das playlists dos brasileiros de forma muito plural em relação ao público. Hungria Hip Hop é um dos grandes nomes do mercado atual no alto dos seus quase 3 milhões de ouvintes mensais no Spotity e os 8,5 milhões de seguidores no Instagram.

“Hoje o Brasil todo, sem classe social, escuta rap. Conheço pessoas, conheço juízes que escutam rap. É algo realmente que é fruto de tudo o que a gente plantou no meio dessa caminhada”, destacou o cantor durante o papo com o Yahoo! Entrevista desta semana.

Leia também:

Além de comercial, Hungria também é o sobrenome do cantor. “O Hungria é aquele cara que sobe no palco, e minha noiva fala isso, que parece que me transformo. Não que eu seja o personagem, mas o Gustavo é um moleque. Ama dormir com a mãe, a família. O Hungria está no palco e o Gustavo é que gosta de sentar na calçada e conversar”, ressaltou.

Para o cantor, a ascensão do ritmo é fruto de tudo o que já foi construído no passado. “A velha escola fala mais da crítica político-social, dos problemas com polícia. Agora estamos propagando a mensagem de que a gente pode ser vencedor também, sacou? Vários manos da favela, vários amigos meus, vários pais de amigos meus venceram sendo de lá”, lembrou.

Hungria recentemente lançou “Jasmim”, uma música mais romântica e pretende crescer mais a cada dia. “Quero chegar aos 27 milhões de ouvintes mensais e eu acho que pra Deus isso não é impossível. Está com 2,7 milhões de ouvintes hoje, mas há três meses o número estava cinco milhões”, apontou.

Além do número de ouvintes, o cantor quer um reconhecimento internacional. “O rap ele está numa fase muito legal. Quero um Grammy. Aí depois que ganhar o primeiro, talvez queira ganhar o segundo, terceiro, quarto. Acredito muito no poder da fé junto com o trabalho”, conclui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos