'Hora do Blec': representatividade, diversão e aprendizados para crianças na primeira infância

Emily Santos
·3 minuto de leitura
'Hora do Blec' está disponível no YouTube. Imagem: Reprodução/Instagram (@horadoblec)
'Hora do Blec' está disponível no YouTube. Imagem: Reprodução/Instagram (@horadoblec)

Representatividade é uma palavra que está na moda, mas que só há pouco tempo começou a fazer parte do vocabulário dos brasileiros. Para as crianças, então, é algo ainda mais novo. Mas é isso que os criadores da ‘Hora do Blec’, Yasmin Garcez e David Júnior, querem mudar.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

A animação, que apresenta o garoto Blec, sua família e amigos está sendo disponibilizada aos poucos no canal do YouTube do projeto, que traz vídeos musicais para crianças na primeira infância, de zero a quatro anos, cujos temas são inspirados nos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) criados pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Leia também

Até a data de publicação, três vídeos haviam sido publicados no canal, um curto, de apresentação de Blec, e dois clipes musicais, “Macarrão do Papai” e “Mãe Terra”. E com menos de uma semana de atividade e apenas três vídeos, o canal já acumula mais de 52 mil visualizações.

“E temos recebido muitos feedbacks”, afirma Yasmin Garcez em entrevista ao Yahoo!. “Recebemos vídeos o dia inteiro das crianças dançando, cantando, os pais enlouquecidos e todo mundo muito feliz, todo mundo está gostando muito”, revela, satisfeita.

A criadora entende o papel da representatividade no sucesso do projeto. “Faltava muita representatividade. Falta muito ainda. Nós somos um projeto, o ideal é que tenham vários outros com protagonismo negro”, reconhece.

O nascimento de Blec

Yasmin diz que o primeiro pensamento que originou Blec e sua turma aconteceu em 2016, depois de visitar a exposição fotográfica “Projeto Identidade”, de Noemia Oliveira e Orlando Caldeira, em que artistas e personalidades negras aparecem como ícones populares originalmente brancos.

“No final da exposição, aquilo me deu um desconforto absurdo e tive uma crise. Eu nunca tinha parado para pensar nisso”, conta. “Não sou negra, tenho este privilégio social que carrego na cor da pele, e nunca tive que parar para pensar no assunto, essa é a verdade. E naquele momento me veio um desejo profundo de fazer alguma coisa com protagonismo negro para a infância”, completa.

A ideia não vingou imediatamente e só depois que começou a namorar o ator David Júnior, em 2018, que as coisas começaram a tomar forma. “Em 2019 eu contei da ideia para ele, perguntei se não queria retomar essa situação comigo e aí começamos juntos esse processo da animação”, explica.

“O formato do Blec de vídeos musicais para primeira infância foi algo que surgiu depois que começamos a tentar fazer alguma coisa juntos e aí desenvolvemos esse formato”, Yasmin relembrou.

A importância da representatividade

A animação traz Blec em um ambiente de amor e diversão com seus pais, avô e os amigos, algo novo em se tratando da representação de famílias negras na mídia brasileira. E isso, para David, criador do projeto, é algo essencial. “Quisemos dar voz ao Blec e sua família, mas de uma maneira plural, de modo que pudéssemos dialogar, como seres humanos. E não com essa ideia de ter um acima do outro, só a relação pela relação”, conta, e revela a influência que o filme ‘Pantera Negra’, da Marvel, teve na idealização do projeto.

A entrevista completa, com comentários sobre referências, influências, objetivos e o que mais vem por aí está disponível no IGTV do Instagram @yahoovidaestilo e você pode conferir abaixo.