Homem trans conta sobre foto de “antes e depois” que viralizou na internet

Homem trans conta sobre foto de “antes e depois” que viralizou na internet (Foto: reprodução/ Facebook Gabriel Santos)

Por Juliana Gola

Depois de alguns dias na praia, Gabriel Santos, que é de Belo Horizonte, Minas Gerais, postou duas fotos despretensiosas que viralizaram e já alcançam mais de 100 mil curtidas e 140 mil compartilhamentos no Facebook. Nas fotos, sua família posa em frente ao mar hoje e 18 anos atrás, o clássico “antes e depois”, com a diferença que naquela época, ainda criança, Gabriel era uma menina. A transição se deu aos poucos e a foto comemorava um ano das duas cirurgias de adequação de gênero para retirada das mamas, útero e ovários feitas por ele.

Entre os comentários, quase dois mil em cinco dias, teve quem apoiasse, mas também que atirasse suas pedras virtuais. “Vi que tive muito mais pessoas apoiando, elogiando, me parabenizando pela foto, admirados com minha família, com a minha mãe, muitos dizendo que a foto trazia amor, e uma representatividade imensa, principalmente, para o público transexual. Mas também vi muitos ataques, discurso de ódio, mensagens transfóbicas, zombando de mim, da minha família, pessoas de mente pequena, destilando preconceito, usando nome de Deus para justificar tais atitudes”, conta.

Homem trans conta sobre foto de “antes e depois” que viralizou na internet (Foto: Reprodução/ Facebook Gabriel Santos)

Gabriel tem 26 anos e é o mais velho de quatro filhos, sendo três irmãs. Ele conta que sempre se sentiu deslocado do próprio corpo. “Nunca me enquadrei no universo feminino, nunca gostei das brincadeiras, das roupas, e das conversas”, lembra. Introvertido e sem entender o que se passava, só foi ter contato com a transexualidade aos 21 anos. “Até então não sabia da existência dessa condição. E foi aí que me encontrei e finalmente pude entender o que acontecia dentro de mim. Então iniciei o processo de transição com o uso de hormônios e treino físico na academia”, conta.

Feliz com o resultado e se sentindo seguro para a praia sem camisa teve a ideia da foto. Mas não imaginava a repercussão. “Sei que para muitos a transexualidade é algo imoral, anormal, sujo, mas eu digo que não, é algo que nascemos com ela, e não nos torna melhores ou piores por isso. Eu trabalho e tenho uma vida normal, como qualquer outra pessoa”, diz. Sobre os comentários de ódio, acrescenta: “A transexualidade é apenas um detalhe do meu ser, um detalhe que não interfere na vida de nenhuma outra pessoa, sendo assim, creio que estas precisam me ver além dessa condição, como homem, cidadão, ser humano”, completa.

Quem ficou receosa com toda exposição foi a namorada Dayanne Silva. Juntos há sete meses, ela conta que ficou com medo da violência. “Fiquei bem preocupada no início, até por temer dele ser atacado, essas coisas. Mas a maior parte dos comentários foi boa e de apoio. Inclusive muitos elogios, fiquei até com ciúmes, porque muitos são bem ousados”, conta rindo.