Homem injeta o próprio sêmen para ‘curar’ dor nas costas

Um homem injetou seu próprio sêmen em si mesmo por 18 meses. [Foto: Getty Images]

Por: Francesca Specter

Um homem virou notícia e deixou a comunidade médica chocada com sua decisão de injetar seu próprio sêmen em si mesmo, regularmente.

Receba novidades sobre o mundo dos famosos (e muito mais) no seu WhatsApp

Em um relatório intitulado ‘‘Semenly’ Harmless Back Pain: An Unusual Presentation of a Subcutaneous Abscess’ (Dor nas Costas Aparentemente Inofensiva: Uma Apresentação Incomum de Abcesso Subcutâneo, em tradução livre), o autor, Dr. L. Dunne, descreveu seu encontro nada comum com o paciente.

“Um homem de 33 anos foi visto reclamando de dores fortes nas costas, na região lombar,” começa informando o relatório, que foi publicado na revista Irish Medical Journal.

Leia também: Homem também sente dor no sexo; descubra 6 principais motivos

O médico encarregado de tratar a dor nas costas do homem notou um inchaço em seu braço enquanto o examinava.

“Um exame físico abrangente dos membros inferiores e superiores revelou uma pápula eritematosa com um foco central na face medial da parte superior da perna direita […] O paciente confessou que havia injetado seu próprio sêmen por via intravenosa como um método inovador para tratar as dores nas costas,” escreveu ele.

O “tratamento” foi realizado “sem qualquer tipo de aconselhamento médico”.

“Depois de perguntar mais a respeito deste tratamento alternativo, ele revelou que havia injetado uma ‘dose’ mensal de sêmen por 18 meses consecutivos usando uma agulha hipodérmica comprada online”.

O homem acabou recebendo tratamento contra a celulite, que havia desenvolvido como resultado das injeções de sêmen.

O único estudo médico envolvendo injeções de sêmen foi realizado em 1945 por cientistas da Universidade de Glasgow, na Escócia. Seu título era ‘The Effects of the Injection of Human Semen into Female Animals’ (Os efeitos da Injeção de Sêmen Humano em Animais Fêmeas, em tradução livre).

O experimento foi conduzido em fêmeas de ratos, coelhos e porquinhos-da-índia, mas não obteve resultados positivos.