Homem é agredido com chutes por supervisor de churrascaria no interior de SP

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Supervisor de churrascaria agride limpador de para-brisas em Ribeirão Preto (SP)

Um homem que trabalha como limpador de para-brisa foi agredido com chutes pelo supervisor de uma churrascaria em Ribeirão Preto (interior de SP).

Em imagens gravadas por um motorista, na última quinta-feira (17), a vítima aparece sentada com seus materiais de trabalho na calçada do restaurante. O supervisor aparece, começa a discutir e, em seguida, chuta o rosto do homem e seus pertences.

Leia também

O caso não foi registrado em boletim de ocorrência, mas a comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pretende denunciar o agressor e a churrascaria ao Ministério Público.

“A OAB vê com muita indignação e revolta as imagens apresentadas. Na esfera criminal, claramente, visivelmente, o homem cometeu pelo menos o crime de ameaça e lesão corporal. Além de uma série relação dos direitos constitucionais de ir e vir. Na esfera cível, cabe também contra ele uma reparação de danos, tanto quanto o autor da violência, como também contra o estabelecimento comercial”, explicou ao portal G1 o advogado Douglas Marques, presidente da comissão.

O promotor de Justiça Paulo José Freire Teotônio classificou como covarde a atitude do supervisor da churrascaria e informou que vai oficiar a Polícia Civil para pedir a investigação do caso.

“Imagens chocantes, revoltantes, de uma agressão covarde. Com base nisso e visualizando ali uma série de crimes, eu resolvi requisitar ajuda da Polícia Civil e a instauração de um termo circunstanciado para apuração da autoria, para se saber quem é e a qualificação para que a gente possa tomar as providências legais cabíveis”, afirmou.

Segundo Teotônio, as imagens sugerem os crimes de constrangimento ilegal e injúria: “A lesão corporal deverá ser apurada porque só um médico vai poder dizer futuramente”. A Promotoria de Justiça Cível também será oficiada para apurar eventual dano moral coletivo e para que o estabelecimento seja processado.