Hollywood homenageia Ryan Reynolds, super-herói que se tornou dono de um pequeno clube de futebol

De super-heróis subversivos a documentários esportivos: o astro de Hollywood Ryan Reynolds garante que está focado em explorar novas formas de contar histórias, após receber o prestigioso prêmio American Cinematheque.

O protagonista de adaptações para o cinema de quadrinhos como "Deadpool" e "Lanterna Verde" ganhou as manchetes no ano passado quando comprou o time de futebol galês Wrexham, junto com o também ator Rob McElhenney.

A aquisição e as tentativas de revitalizar a equipe inspiraram a bem-sucedida série "Bem-vindos ao Wrexham", uma aposta que vai ao encontro da tendência dos documentários sobre esporte. No Brasil, a docussérie estreia 7 de dezembro na plataforma de streaming Star+.

O esporte "é contar histórias em tempo real. Então, adoro aplicar isso ao Wrexham", disse Reynolds na quinta-feira, durante uma festa de gala no exclusivo bairro de Beverly Hills, em Los Angeles.

"Me apaixonei não apenas pelo Wrexham, mas também pelas pessoas de Gales. Sabia que criaria raízes na cidade, mas não sabia que seria algo tão profundo e tão rápido", explicou.

Embora "Bem-vindos ao Wrexham" tenha uma abordagem incomum - suas estrelas e produtores compraram o clube apesar de admitir que não sabiam quase nada sobre futebol -, os documentários esportivos em geral cresceram em popularidade nos últimos tempos.

A Netflix conquistou sucessos com as séries de basquete "Arremesso Final" e "F1: Dirigir Para Viver", enquanto a popular franquia "Tudo ou Nada", da Amazon Prime, oferece aos fãs uma espiada no que acontece dentro dos times de elite do futebol e do futebol americano.

Na semana passada, o ator declarou durante uma entrevista no programa The Tonight Show Starring Jimmy Fallon que está interessado em comprar uma franquia muito maior: o Ottawa Senators, da Liga Nacional de Hockey (NHL).

Quando questionado sobre essa oferta na gala de quinta-feira, Reynolds se limitou a declarar: "Veremos".

- "Super-heróis e terror" -

Reynolds recebeu o prêmio American Cinematheque, concedido a apenas uma estrela no evento anual. Os homenageados anteriores incluem Al Pacino, Tom Cruise e Steven Spielberg.

O ator, que também tem negócios significativos, incluindo participações em uma marca de gin e em uma empresa de telefonia celular, está trabalhando em "Deadpool 3", outro capítulo de sua bem-sucedida série de filmes sobre um super-herói desbocado.

"Acredito que o que tornou ''Deadpool' especial, e a razão pela qual adorei, é que subverte o gênero", explicou.

“Quando você pode subverter um gênero como esse, particularmente um que é tão robusto quanto o gênero do super-heróis, você aproveita a oportunidade”, disse.

Entre os convidados estava o diretor vencedor do Oscar Ron Howard ("Uma Mente Brilhante"), que disse que Reynolds "está provando ser um grande narrador e produtor, além de uma estrela de cinema".

McElhenney, seu sócio no Wrexham, observou que Reynolds é "incrivelmente empreendedor" e "simplesmente olha o mundo e os negócios, e nosso negócio em particular, de uma maneira completamente diferente".

Jason Blum, produtor por trás de sucessos de filmes de terror como "Corra!" e "Atividade Paranormal", também foi homenageado com o prêmio Power of Cinema.

Assim como os filmes de super-heróis, o gênero de terror continua prosperando, atraindo grandes audiências para os cinemas na era do streaming.

"Super-heróis e terror. Dominamos os cinemas!", brincou Blum sobre seu colega homenageado.

amz/leg/llu/yow/ap/ic