'Histórias também devem ser lideradas por mulheres', diz executiva brasileira da Netflix

Diego Olivares
Elenco principal de ‘Coisa Mais Linda’, uma das apostas da Netflix para 2019 (Imagem: divulgação Netflix)
Elenco principal de ‘Coisa Mais Linda’, uma das apostas da Netflix para 2019 (Imagem: divulgação Netflix)

Pelo menos em sua filial brasileira, a Netflix entendeu que o momento é de colocar personagens femininas como protagonistas. Das quatro séries nacionais originais que o serviço de streaming lança no primeiro de semestre deste ano, todas têm mulheres nos papéis principais.

Receba no seu Whatsapp as novidades sobre o mundo dos famosos (e muito mais)

Na próxima sexta-feira, 22, estreia a primeira delas, ‘Coisa Mais Linda‘. Capitaneada por um elenco que traz Maria Casadevall, Pathy Dejesus, Mel Lisboa, Fernanda Vasconcellos e Thaila Ayala, a série se passa no Rio de Janeiro de 1959 e mostra as personagens quebrando barreiras, dentro das próprias famílias e fora de casa, para realizar seus sonhos e anseios.

Em abril chega a segunda temporada de ‘Samantha!’, com a volta de Emanuelle Araújo como a ex-estrela mirim capaz de tudo para voltar ao estrelato. Os meses seguintes ainda reservam os lançamentos da terceira temporada de ‘3%‘, liderada por Bianca Comparato, e o suspense ‘O Escolhido’, com Paloma Bernardi.

A realidade de abrir espaço às mulheres se estende também para trás das câmeras, com diretoras e roteiristas trabalhando nas séries. Acima desse time, há Maria Ângela de Jesus, diretora de produções originais brasileiras da empresa de streaming. A executiva, que vem de um longo período na HBO, conversou por email com o Yahoo! sobre protagonismo feminino, planos da Netflix para o país e o que chamou de “momento maravilhoso para o mercado criativo e de produção no Brasil”. Confira abaixo:

Nos últimos anos, muito se falou sobre a criação de espaço para mais criadoras mulheres no audiovisual brasileiro. A Netflix tem dado espaço para roteiristas e diretoras. Isto é algo ocasional ou faz parte de uma diretriz da empresa?

Na Netflix, nosso objetivo principal é produzir grandes histórias para os nossos fãs. E sabemos que a realidade no entretenimento hoje é que as histórias também devem ser lideradas por mulheres. Nós anunciamos quatro séries que vão ao ar no primeiro semestre de 2019 qcom protagonistas femininas fortes, ‘Coisa Mais Linda’, ‘3%’, ‘Samantha!’ e ‘O Escolhido’, mas que também temos mulheres talentosas envolvidas no processo por trás das câmeras, como a diretora Julia Rezende [uma das responsáveis por ‘Coisa Mais Linda’].

Nós acreditamos que a diversidade de histórias é algo que irá interessar cada vez mais aos nossos membros, essa é a nossa diretriz. Nestes quatro shows, temos um drama de época, distopia, sitcom e um suspense supernatural, respectivamente, e isso foi feito para atender a sede de nossos membros por novas histórias. Essa diversidade de histórias ganha muito em poder e autenticidade quando o time envolvido em sua produção também é diverso.

Com as dúvidas sobre a continuidade dos mecanismos de incentivo governamentais ao audiovisual, a Netflix hoje é a “terra prometida” para muitos realizadores. Como vocês encaram este momento?

O momento é maravilhoso para o mercado criativo e de produção no Brasil. Nosso país é um dos mercados mais excitantes e criativos do mundo e temos muito orgulho em continuar trabalhando com os talentos que encontramos aqui, em frente e por detrás das câmeras, para produzir histórias genuinamente brasileiras que vão levar nossa cultura e nossas paisagens para os 190 países onde a Netflix está presente. Queremos buscar histórias incríveis que vão se tornar o próximo show favorito dos nossos fãs, e vemos muitas oportunidades de fazer isso no Brasil, por conta da diversidade de histórias interessantes que aqui temos para contar e que viajam para o mundo todo.

Qual é a importância do mercado brasileiro no plano global da Netflix?

O Brasil é um dos principais mercados da Netflix no mundo e vamos continuar investindo em produzir conteúdos originais no país. Com as quatro séries que acabamos de anunciar para o primeiro semestre, e as que ainda estão anunciadas para 2019 (‘Sintonia’, ‘Ninguém Tá Olhando’, ‘Irmandade’ e a segunda temporada de ‘O Mecanismo’), temos histórias que ultrapassam fronteiras e viajam por todo o mundo, conectando as pessoas, independentemente de barreiras culturais, fuso-horário ou língua.

Podemos dizer que países como Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Estados Unidos, França, Inglaterra, México e Peru adoram consumir os conteúdos produzidos aqui, fazendo do nosso país um exportador de histórias e talentos para o mundo. Nós acreditamos cada vez mais que boas histórias não têm fronteiras. E os conteúdos da Netflix são exemplos disso.