Hinos brasileiros têm partituras restauradas para festejos da Independência

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Partituras originais do hino nacional, além dos hinos da Independência, da Proclamação da República e à Bandeira, receberam uma restauração para serem expostos ao público em comemoração do bicentenário da Independência do Brasil.

Os documentos, que pertencem à Universidade Federal do Rio de Janeiro, foram levados para Belo Horizonte em maio, onde ficaram expostas no Palácio da Liberdade, antiga sede do governo de Minas Gerais, e depois restauradas pelo Arquivo Público Mineiro. Agora, eles seguem para o Palácio do Planalto, em Brasília, no Distrito Federal.

"Minas Gerais é uma referência na restauração do país. Agora, após um trabalho detalhado e criterioso dos nossos técnicos, temos as partituras restauradas e prontas para mais alguns séculos", afirma Leônidas Oliveira, secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais.

O hino da Independência, o mais antigo deles, completa o seu bicentenário neste ano. Já o hino nacional possui três versões de letra para a mesma melodia, sendo a mais antiga de 1831.

Segundo Diane Almeida, uma das restauradoras, os documentos tinham marcas de acidificação e de fitas adesivas, além de pequenos rasgos e manchas. "A gente fez intervenções para estabilizar os processos de deterioração", diz.

Eles passaram ainda por um processo de higienização. Diane afirma que, agora, é importante manter cuidados com o manuseio e o acondicionamento dos papéis, que devem ficar em ambientes com pouca variação de temperatura e umidade. Eles também não podem ser expostos à luz direta.

Sérgio Rodrigo Reis, curador da exposição dos hinos em Minas Geais, conta que a ideia surgiu a partir de uma conversa informal com os pesquisadores da UFRJ, enquanto eles planejavam outra exposição dedicada ao bicentenário da Independência.

"Esses hinos narram em verso e prosa os movimentos e os sentimentos que culminaram na Independência do Brasil, na Proclamação da República e na consolidação da nação brasileira. Eles espelham por meio desses símbolos as lutas que a gente viveu naquela época pela liberdade", afirma Reis.