Halle Berry aponta racismo em Hollywood e diz que recebe menos papéis após ganhar o Oscar

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
FILE - In this file photo of March 24, 2002, Halle Berry shows off her Oscar backstage after winning for best actress for her role in "Monster's Ball" during the 74th annual Academy Awards on in Los Angeles. Dorothy Dandridge was the first black woman to be nominated for a Best Actrress Oscar. And almost half a century passed before another black woman, Halle Berry, won the award. (AP Photo/Doug Mills, File)
Halle Berry recebe o Oscar de Melhor Atriz em 2002 (AP Photo/Doug Mills, File)

Halle Berry concedeu uma longa entrevista à Variety. Refletindo sobre toda a sua carreira, a atriz refletiu sobre o racismo em Hollywood e surpreendeu ao revelar que passou a receber menos convites de trabalho após receber o Oscar de Melhor Atriz por Leticia Musgrove em 'A Última Ceia' em 2002.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

"Acho que, em certa medida, não havia lugar para alguém como eu. “Eu pensei,‘ Oh, todos esses ótimos roteiros virão na minha direção agora; todos os grandes cineastas virão me procurar. Não aconteceu. Na verdade, ficou um pouco mais difícil. Eles chamam isso de maldição do Oscar. Espera-se que você entregue mais desempenhos dignos do prêmio", disse ela.

Leia também

Até hoje, Halle Berry é a única atriz negra a ter recebido a estatueta. "É uma das minhas maiores angústias. Na manhã seguinte, pensei: 'Uau, fui escolhida para abrir uma porta.' E então, não houve mais ninguém ... Eu questiono, 'Foi um momento importante ou foi apenas um momento importante para mim?' Parecia muito maior do que eu, principalmente porque eu sabia que outras deveriam ter estado lá antes de mim e não estiveram", continuou.

Na mesma entrevista, Berry ainda deixou clara a sua insatisfação com "Mulher-Gato", filme de 2003 execrado pela crítica. Para ela, o filme dirigido por Pitof foi mal planejado e acabou ajudando a reforçar esteriótipos femininos. "Eu pensei: 'Esta é uma grande chance para uma mulher negra ser uma super-heroína. Por que eu não tentaria isso?", lembrou.

"Lembro-me de ter discussões sobre: 'Por que a Mulher-Gato não pode salvar o mundo como o Batman e o Super-Homem fazem? Por que ela está apenas salvando as mulheres de um creme facial que quebra seu rosto?'. Mas eu era apenas uma atriz contratada. Não era a diretora. Não poderia fazer nada", concluiu.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos