Hackers da Coreia do Norte visam J&J e Novavax em busca de pesquisas sobre Covid

Por Raphael Satter e Jack Stubbs
·1 minuto de leitura
Pessoas com laptops

Por Raphael Satter e Jack Stubbs

WASHINGTON/LONDRES (Reuters) - Hackers supostamente ligados à Coreia do Norte tentaram recentemente invadir ao menos nove organizações de saúde, incluindo a gigante farmacêutica Johnson & Johnson e a desenvolvedora de vacinas Novavax, revelando um esforço mais amplo para visar elementos essenciais da corrida para se desenvolver tratamentos contra a Covid-19.

Quatro pessoas que investigaram os ataques disseram que as tentativas de invasão começaram em setembro e usaram domínios de internet que imitam portais de login para tentar induzir funcionários das organizações visadas a revelarem suas senhas.

As tentativas de invasão incluíram uma contra a farmacêutica e desenvolvedora de vacinas britânica AstraZeneca, que a Reuters noticiou pela primeira vez na semana passada estar na mira da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte não confirmou nenhuma infecção de coronavírus, mas o Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul disse que um surto no país vizinho não pode ser descartado, já que este teve contatos comerciais e interpessoais com a China --a fonte da pandemia-- antes de fechar a fronteira no final de janeiro.

Uma análise da Reuters de registros de internet de acesso público mostra que os domínios de rede e os servidores usados pelos hackers já haviam sido identificados pelo governo dos Estados Unidos e por pesquisadores de segurança como parte da campanha de ataques cibernéticos norte-coreana.

(Reportagem adicional de Michelle Nichols em Nova York e Joyce Lee em Sangmi Cha em Seul)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF