• Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Gusttavo Lima no tribunal? Não com Andressa, mas sim por briga de R$ 20 milhões

·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Gusttavo Lima revelou na terça-feira (13) que não pretende ir à Justiça com Andressa Suita, com quem se separou recentemente, e disse que pagará o que for preciso de pensão para fugir dos tribunais. Porém, o Yahoo descobriu que o sertanejo pode até não entrar numa briga judicial com a ex-mulher, mas está prestes a enfrentar novamente um outro processo antigo.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

Se trata de uma briga com o compositor André Luiz Gonçalves da Silva, conhecido como De Lucca. Ele pede R$ 20 milhões por danos morais e alega ser o único compositor da música "Fora do Comum", gravada por Gusttavo em 2011, e que virou um hit na época.

Leia também

O processo, que o Yahoo teve acesso, iniciou em 2016 e tinha sido arquivado após o juiz alegar prescrição do prazo legal para mover a ação, que seria de três anos. De Lucca demorou cinco anos para processar. Acontece que o compositor interpôs um recurso de apelação e, por decisão de um desembargador, publicada no dia 1 de outubro de 2020, poderá seguir com o processo e reunir novas provas. Uma audiência de instrução e julgamento deve ser marcada.

Gusttavo e De Lucca tentaram uma audiência de conciliação em novembro de 2019. Na época, segundo o G1, o sertanejo ofereceu o valor de R$ 50 mil, bem inferior aos R$ 20 milhões pedidos. Eles não entraram num acordo.

Gusttavo Lima
Gusttavo Lima

O Yahoo procurou a assessoria de imprensa de Gusttavo Lima que informou que “não irá se pronunciar sobre questões técnicas do processo e aguardará a publicação do acórdão para avaliar eventual recurso”.

Ainda na nota, a assessoria informou: “O processo foi julgado em primeira instância, tendo sido o resultado julgado desfavorável ao De Lucca, pois o juiz sentenciante entendeu que o direito do autor estava prescrito. Houve apelação ao TJGO por parte do compositor. Em segunda instância o TJGO em sessão de julgamento ocorrida em 22/09/2020, entendeu não ter ocorrido a prescrição e decidiu enviar o processo para instrução processual em primeira instância, para julgamento do mérito.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos