Gusttavo Lima e seu machismo desnecessário em pleno 2020

Gusttavo Lima e seu machismo (Foto: Reprodução/Instagram@gusttavolima)

"O verdadeiro guerreiro, em épocas de crise, sempre suja a sua espada". Esse foi apenas um dos comentários machistas que rechearam a última live de Gusttavo Lima na internet. Se você não entendeu de cara, a gente explica: em dado momento da apresentação, ele comparou a sua bebida à menstruação feminina e soltou, em seguida, a frase que encabeçou esse texto. "Não seja covarde", completou ele. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

E nos siga no Google News: Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo 

De fato, Gusttavo é um dos maiores nomes da música sertaneja no Brasil, e suas apresentações ao vivo pelo YouTube no período de quarentena estão angariando centenas de milhares de visualizações simultâneas - dizem que os números o deixariam em segundo lugar de audiência, se o show fosse feito na televisão. 

Leia também

Mas, a que custo? Já não é de hoje que a internet reclama dos muitos comentários que o sertanejo faz nos seus shows e entrevistas e, no último final de semana, não foi diferente. A live, que durou mais de cinco horas, contou com uma chuva de comentários desnecessários - e gerou até uma investigação por parte do Conar, por conta do consumo indiscriminado de bebidas alcóolicas em uma apresentação ao vivo e de fácil acesso à menores de idade. 

"Aqueles mosquitinhos pequenininhos, aqueles 'boceteros', aqueles cu de cachorro", disse em outro momento. Aliás, o termo "boceta", considerado bastante pejorativo, foi falado aos montes durante o evento, que aconteceu na casa do músico, em Goiás. Depois, ao passar álcool gel nas mãos, ele comentou como o produto "parecia porra". Isso sem falar em quando prestou atenção na esposa e comentou que ela estava mais bonita do que de costume. 

Gusttavo Lima é machista? 

Não é preciso de muito para entender que a visão do músico é, sim, machista. Falar sobre menstruação ainda é um tabu para as próprias mulheres - e em alguns lugares do mundo é o suficiente para tirar as meninas da escola e até gerar casos mais graves de depressão e suicídio

A base dessas ações extremas e dos comentários de Gusttavo são a mesma: a ideia de que o corpo feminino tem o objetivo de satisfazer os prazeres masculinos a qualquer custo - independentemente do estado em que ele se encontra. Dizer que um homem precisa "ter coragem" para transar com uma mulher menstruada (e ainda soltar um "taca o pau" como incentivo), não só é grosseiro, como desrespeitoso. 

Desrespeitoso porque, sim, desrespeita o desejo da mulher da querer ou não transar quando está no período menstrual e, mais ainda, torna a atividade uma prova de coragem, de resistência, como um obstáculo a ser superado - e disseminando ainda uma ideia de masculinidade tóxica.

Usar um termo pejorativo referente ao órgão genital feminino tem o mesmo objetivo: diminuir o corpo da mulher a algo que, no mínimo, é visto com certa repulsa se não atender um padrão específico. 

Comentários como esse não estão reservados ao músico, mas ele, como pessoa pública e de grande alcance, tem certa responsabilidade social pela forma como age diante do público - mesmo que esteja na própria casa. Muitos podem usar o argumento de que o cantor bebeu demais e que os comentários, portanto, não devem ser levados a sério - e, realmente, ele bebeu demais durante a transmissão. Mas foi-se o tempo em que era aceitável deixar passar comportamentos como esse. 

Essa, inclusive, não é a primeira vez que o músico é acusado de machismo. Durante um show no ano passado, ele reclamou com uma fã que ela estava bebendo "bebida de mulher" e que queria uma "bebida de homem". A separação entre os gêneros implica uma diferença de força: homens mais fortes e mulheres mais fracos, homens mais dignos e mulheres, menos dignas. Mais uma vez, é uma visão que demonstra superioridade de um lado e inferioridade do outro.

Expor uma mulher pela sua aparência, diminuir uma reação natural do corpo feminino, usar seu órgão genital com conotação pejorativa são ações machistas porque seguem reforçando a ideia da mulher como mero objeto sexual. Alcançando tantas pessoas ao mesmo tempo, em um momento tão delicado da história, poderia-se esperar, no mínimo, que o músico considerasse um pouco mais o que diz antes de abrir a câmera para uma live.