Gusttavo Lima fica com R$ 600 mil de cachê ilegal de show cancelado por contrato

*Arquivo* O cantor Gusttavo Lima; sertanejo se posicionou contra o comunismo em um show realizado em Brasília. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)
*Arquivo* O cantor Gusttavo Lima; sertanejo se posicionou contra o comunismo em um show realizado em Brasília. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)

De acordo com o contrato do artista Gusttavo Lima com o município de Conceição do Mato Dentro, em Minas Gerais, a empresa do cantor tem direito a ficar com R$ 600 mil do cachê de um show já cancelado, que teria sido desviado ilegalmente da Compensação Financeira pela Exploração Mineral, a CFEM, destinada a investimentos na saúde e educação.

Segundo a sétima cláusula do contrato para o show na 32ª Cavalgada do Jubileu do Senhor Bom Jesus do Matozinhos, obtido pela reportagem, a "suspensão ou rescisão" do documento acarreta "multa de 50% do valor da nota fiscal faturada". Ao todo, Lima receberia R$ 1,2 milhão pela apresentação.

Como já revelado anteriormente pela reportagem, o cantor já tinha recebido essa metade do cachê, pago em duas parcelas. Ele receberia o restante até 15 de junho, de acordo com o contrato da prefeitura.

Com uma prerrogativa para anular seus próprios atos, a administração pública ainda pode anular o contrato e reaver os R$ 600 mil pagos. No entanto, ainda é necessário que o Tribunal de Contas e o Ministério Público, que está fazendo uma investigação preliminar do caso, se manifestem.

No último sábado, o prefeito da cidade, José Fernando Aparecido de Oliveira, anunciou em vídeo nas redes sociais que cancelaria as apresentações do "embaixador", em referência a Gusttavo Lima, e de Bruno e Marrone, que ganhariam R$ 500 mil ao todo.

Contudo, a cidade de 17 mil habitantes deve seguir com os shows de outros cantores sertanejos para a festa, ainda com a verba indevida. Dentre eles estão Israel e Rodolffo, contratados por R$ 310 mil, Di Paullo e Paulino (R$ 120 mil), João Carreiro (R$ 100 mil) e Thiago Jhonathan (R$ 90 mil).

Anteriormente, Lima já disse que "não pactua com ilegalidades" e que não é seu papel "fiscalizar as contas públicas". O Ministério Público de Minas Gerais informou nesta sexta-feira, em nota enviada à reportagem, que faz uma apuração preliminar para verificar se houve irregularidades na contratação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos