Testamento de Gugu Liberato é lido para a família: "Terceiros usam de má fé"

Gugu Liberato morreu em novembro deste ano (divulgação/RecordTV)

A família de Gugu Liberto quase entrou em uma disputa judicial pelos bens do apresentador nas últimas semanas. O testamento do apresentador, que morreu no final de novembro deste ano, foi lido aos parentes.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Segundo informações divulgadas pela assessoria de imprensa do apresentador, ele deixou um testamento designando seus bens. “Expressa suas últimas vontades e dispõe dos seus bens moveis, imóveis, materiais e imateriais, contemplando seus familiares e principalmente, em quase sua totalidade os seus três filhos, João Augusto, Marina e Sofia”, diz o documento.

Leia também

O comunicado ainda afirma que o após a leitura do testamento Rose Miriam Di Matteo e João Augusto, mulher e filho mais velho de Gugu, foram levados por parentes tarde da noite a um outro advogado a fim de registrarem novos representantes legais. Na ocasião o filho não assinou a procuração requerida.

“Ciente posteriormente de que tal fato poderia ocasionar problemas ao espólio, o que fatalmente acarretaria uma disputa judicial entre mãe e filhos, houve por bem, por parte de Rose Miriam, redigir e enviar carta de punho próprio revogando e retirando a representação deste segundo advogado. Isto posto, percebe-se que a indução e mal aconselhamento está vindo de terceiros não contemplados no aludido testamento. Terceiros estes que usam de má fé para criar problemas constituindo novos advogados com a única finalidade de obstruir a vontade legitima de Antonio Augusto Moraes Liberato”, explica o texto.

A assessoria ainda afirma que Rose Miriam e os filhos estão sendo constantemente assediados por advogados brasileiros e dos Estados Unidos, onde os quatro residem. “O apresentador nomeou como inventariante e curadora legal dos filhos menores, sua própria irmã, Aparecida Liberato, por reconhecê-la apta e capaz de levar a bom termo a liquidação do testamento e de sua expressa vontade”, conclui.