'Grande sintonia', diz Pitombo sobre parceria com Sabrina Petráglia em 'Haja Coração'

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Felipe, papel de Marcos Pitombo em "Haja Coração", nem era um personagem que existia em "Sassaricando" (1987), que inspira a trama de 2016, reprisada atualmente no horário das 19h da Globo. Mas ao protagonizar uma história de amor digna de conto de fadas, ele e Shirlei (Sabrina Petraglia) roubaram a cena e foram um dos grandes destaques da história. Para Pitombo, desde o início, o casal #Shirlipe conquistou o público. Na época em que "Haja Coração", assinada por Daniel Ortiz, foi exibida pela primeira vez, o ator conta que estava na correria das gravações e demorou para entender a dimensão do carinho dos telespectadores por eles. "Felipe foi um personagem importante. Talvez um dos mais significativos da minha carreira, mais amado. E, acima de tudo, ele é um personagem que reafirma valores. Ele está sempre exercitando atos positivos, generosos, praticando empatia, tentando de certa forma ser uma pessoa melhor e ser um agente transformador para todos à volta dele", diz. Curiosamente, Shirlei também não faz parte da trama de "Sassaricando", escrita por Silvio de Abreu. É uma homenagem de Ortiz a outra Shirley, vivida pela atriz Karina Barum em "Torre de Babel", de 1998. Nos dois casos, as personagens são doces, românticas, mas sofrem com o preconceito e o bullying por possuírem uma deficiência na perna que as levam a mancar. O ator Marcos Pitombo diz acreditar que a história do casal fez muito sucesso por alguns fatores, como a construção do relacionamento entre eles e os questionamentos de comportamentos preconceituosas de Jéssica (Karen Junqueira), noiva de Felipe no início do enredo. "A valorização da figura da Shirlei é outro acerto. E sem falar da Sabrina, que estava num momento muito especial e inspirado para dar vida à personagem. Juntos, tocamos muitos corações com essa história de amor", afirma. Para ele, uma das cenas mais memoráveis é a sequência em que ele vê Shirlei perder a bota ortopédica na rua e, mesmo em meio a uma chuva torrencial, desce do carro para conseguir recuperar o calçado. Ali, com ares de "Cinderela", começa a história entre os dois. No capítulo previsto ao ir ao ar na quarta-feira (13), Felipe vai pedir a amada em namoro. Com o sucesso em "Haja Coração", Pitombo e Sabrina Petraglia voltaram a formar par romântico em "Salve-se Quem Puder", novela assinada também por Daniel Ortiz, que teve as gravações interrompidas por causa do novo coronavírus e deve voltar ao ar em março. Desta vez, os papéis se inverteram. Micaela, interpretada por Petraglia é bem-sucedida e empoderada. E é ela que ajuda Bruno, vivido por Pitombo, a identificar a dislexia e se tornar mais confiante. "Tanto Felipe quanto Bruno são positivos e também carismáticos. Mas o Bruno, por conta da história da dislexia, não é um cara tão bem resolvido com a autoestima. Então, ele é um pouco mais tímido, mais introspectivo que o Felipe", diz Pitombo. Outra mudança é que, quando a novela voltar ao ar, a participação de Sabrina Petraglia será menor. A atriz ficou grávida na quarentena e teve de deixar a trama. Já com um barrigão de gestante de Maya -que nasceu em dezembro- ela gravou sua participação final. Segundo especulações, Micaela vai estudar fora do país e se despede de Bruno. "Ela é uma grande parceira, uma amiga incrível que eu ganhei depois de conhecê-la em 'Haja'. Desenvolvemos uma grande sintonia e nos entendíamos através do olhar. E gravar com ela grávida da Maya nesta retomada também foi muito especial", diz o ator. Ele complementa que o público pode esperar muitas surpresas para "Salve-se Quem Puder" e para o seu personagem. O ator diz que a pandemia o obrigou a sair do "modo automático" e descobrir novas formas de produzir e de se relacionar. "Esse período tem sido de grande reflexão. O ideal é que todos saíssem ao término desta pandemia com mais empatia pelo outro, compreendendo as dores e os anseios do próximo", afirma. Questionado sobre planos para o futuro, Pitombo é categórico: "Desejo uma vacina acessível para todos o quanto antes, e que a gente possa retomar a nossa vida, correr atrás dos nossos sonhos, e reencontrar pessoas queridas", conclui.