Grammy Latino volta a Las Vegas

·2 min de leitura
O panamenho Rubén Blades em sua homenagem no Grammy Latino 2021, em 17 de novembro em Las Vegas (AFP/Valerie MACON)

Uma constelação de artistas pisa, nesta quinta-feira (18), no tapete vermelho em Las Vegas para a 22ª edição do Grammy Latino, que retorna ao formato presencial após a pausa pela pandemia em 2020.

Durante a primeira etapa da cerimônia serão entregues 45 dos 53 prêmios da noite. A Academia Latina da Gravação anunciou um prelúdio especial para a entrega das sete categorias de língua portuguesa, nas quais se destacam grandes nomes da música brasileira como Paulinho da Viola e Martinho da Vila.

A "rainha do sertanejo" Marília Mendonça, que morreu tragicamente em um acidente aéreo no dia 5 de novembro aos 26 anos, concorre junto com a dupla Maiara & Maraísa na categoria de Melhor Álbum de Música Sertaneja, com "Patroas".

Marília Mendonça, cujas canções ultrapassam 100 milhões de reproduções no Spotify, era uma das artistas mais influentes do Brasil. A jovem artista, vencedora de um Grammy Latino em 2019 e com uma carreira meteórica, será homenageada durante a première de gala.

Na quarta-feira, vários artistas indicados aqueceram os motores com uma homenagem ao panamenho Rubén Blades, Personalidade do Ano da 22a edição do Grammy Latino.

O cantor se apresentará na cerimônia do Grammy Latino com Roberto Delgado & Orquestra, com quem iniciará a breve turnê "Salswing!" nos Estados Unidos, em 20 de novembro.

Estão confirmados na premiação de hoje no MGM Grand Garden Arena C Tangana e Camilo, que são os favoritos, além da mexicana Gloria Trevi, da chilena Mon Laferte, dos cubanos do Gente de Zona, Jon Secada e do brasileiro Nando Reis.

A cerimônia também será marcada por uma recente troca de farpas entre J Balvin e René Pérez sobre o destaque que o reggaetón alcançou no ano passado, após reiteradas críticas pela ausência do gênero.

"O Grammy não nos valoriza, mas precisa de nós. (...) Damos a eles audiência, mas eles não nos respeitam", tuitou J Balvin, que este ano recebeu três indicações, contra 10 em 2020.

O cubano Yotuel Romero, indicado com "Patria y Vida" nas categorias Canção do Ano e Melhor Canção Urbana, expressou seu entusiasmo na noite de quarta-feira.

"Que Deus trabalhe e que o prêmio fique em Cuba", disse Romero, que canta com seus conterrâneos Descemer Bueno, Gente de Zona e os rappers El Funky e Maykel Osorbo, o rap que se tornou o hino dos protestos que abalaram Cuba em julho e que já tem mais de nove milhões de visualizações no YouTube.

pr/lm/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos