Gangorra gaudéria

Mauro Beting
·2 minuto de leitura
Rodríguez e o Grêmio classificado FOTO Diego Vara - Pool/Getty Images

O Inter deu azar de pegar o Boca que cresce e que sobe de produção em um torneio que só o Independiente tem mais canecos. Inter que foi se desmantelando ainda com Coudet que perdeu gente como Guerrero, Saravia e Boschillia. Inter que não pareceu fazer a melhor escolha com Abel de bela história. Mas momento discutível.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

A equipe perdeu a ponta, o que tinha de encanto, consistência defensiva, e eficiência ofensiva. Já perdeu mais no Beira-Rio sob nova direção do que com Coudet. E quando achou sua melhor exibição, perdeu o jogo por bater de frente com o Boca de Tévez. De bela homenagem a Maradona já descrita no post anterior.

Leia também:

Deu azar o Inter também por encarar o Boca. Mas tudo por culpa da equipe ainda com Chacho. Quando tinha a faca e a bola para alijar o Grêmio ainda na fase de grupos, se perdeu em mais um Gre-Nal. Deu cancha. Abriu a brecha. Agora corre atrás com pinta de que vai ficar pra trás.

Vendo o Grêmio que fez o inverso. Quando se esperava o final do ciclo vitorioso mas com sinais de desgaste de Renato (desde setembro de 2016 mandando muito bem no Tricolor que ele fez também tri da América), Romildo Bolzan Jr. manteve Portaluppi como é: estátua gremista.

Tudo que a direção colorada não deu e/ou se desentendeu com Chacho, Renato ganhou mais tempo e confiança. A que ele deu para remontar o time e o elenco. A que está dando mais do que certo na sequência de agora 12 vitórias e 3 empates. Quinze jogos sem perder consistência defensiva, a bola que até cansa de tanto que fica aos pés gremistas, e os gols que nascem do princípio (com Ferreira com 2 minutos contra o Guaraní) ao fim (com o zagueiro Rodríguez fazendo o gol da tranquila vitória na última bola).

Rival paraguaio bem limitado. Que seria do Inter se o Colorado não bobeasse mais uma vez em Gre-Nal. Que é do Grêmio que é iluminado no torneio. Mas que faz por merecer ao manter um treinador que é tão bom quanto é ídolo. Quem mais jogos treinou o Grêmio. Quem mais vitórias teve na Libertadores entre os brasileiros ao lado de outra bandeira tricolor - Felipão.

Quando se tem qualidade tanto quanto identidade é mais fácil dar tempo e paciência a quem sabe como Renato. Mas é na tormenta que os líderes sabem o que fazer. E foi o que bem fizeram os gremistas. Não os colorados.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos