Governo Bolsonaro exonera diretora do Museu Nacional de Belas Artes, no Rio

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A museóloga Monica Xexéo, diretora do Museu Nacional de Belas Artes, o MNBA, desde 2006, foi exonerada da função nesta quinta-feira (4). O desligamento foi publicado no Diário Oficial da União, em portaria de 3 de fevereiro, assinada pelo ministro do Turismo, Gilson Machado. A ex-diretora, funcionária de carreira, começou a trabalhar no museu no Rio de Janeiro na década de 1980 e, em 2006, assumiu a presidência após a saída de Paulo Herkenhoff. O MNBA está ligado ao Ibram, Instituto Brasileiro de Museus, autarquia hoje vinculada ao Ministério do Turismo que reúne museus federais. O MNBA será dirigido de forma interina por Vera Mangas, dirigente da Representação Regional do Ibram no Rio de Janeiro. O Ibram não respondeu aos contatos da reportagem. Segundo nota do Ibram enviada a servidores e citada pelo jornal O Globo, será feita uma seleção pública para o cargo. O acervo do museu carioca, aberto em 1937 no prédio que abrigou a Escola de Belas Artes, na região central do Rio, tem a maior coleção de arte brasileira do século 19, e tem peças como a monumental tela "Batalha do Avaí", de Pedro Américo, e obras de Eugène Boudin, professor de Monet.