Giovanna Ewbank cai no choro com Rebecca ao falar de racismo: "Não vou saber como é"

Giovanna Ewbank e Rebecca em podcast. Foto: Reprodução/Youtube
Giovanna Ewbank e Rebecca em podcast. Foto: Reprodução/Youtube

Resumo da notícia:

  • Giovanna Ewbank não segurou as lágrimas ao falar sobre racismo com Rebecca

  • Cantora compartilhou vivências dolorosas da filha Morena, de 4 anos

  • No "Quem Pode, Pod", Fe Paes Leme ainda frisou importância da educação da criança branca

Rebecca foi a mais nova convidada do podcast "Quem Pode, Pod", apresentado por Giovanna Ewbank e Fernanda Paes Leme. Dentre diversos assuntos descontraídos, a funkeira acabou caindo no choro ao ser questionada pela mãe de TiTi e Bless sobre como lidar com racismo quando o preconceito atinge os filhos.

"Eu posso falar que eu vejo que, em muitos momentos na vida da minha filha, que é uma menina preta, eu não vou saber responder certas coisas e não vou saber como é passar na pele. Isso é uma coisa que me fere muito", desabafou Gio ao não conter as lágrimas.

"Queria muito perguntar para você o que você hoje quer de diferente para sua filha, que é uma menina preta, que você já passou e você não vai aceitar e não vai querer que ela passe nunca", completou.

Ao contar que sofreu racismo na escola, Rebecca confessou que chegou a passar por momentos em que nem reparou que foi vítima do preconceito. "É uma pergunta muito dolorosa, porque muitas vezes as pessoas não entendem. Fico morrendo de medo de acontecer com a minha filha, como já aconteceu na escola, como já falaram do cabelo dela", afirmou visivelmente emocionada.

"Dela olhar no espelho e falar 'Ai mãe! Não quero ir com esse cabelo não, porque as pessoas falam que é feio'", completou ela ao dizer que rebate o comentário com elogios e que conversa muito com a pequena para que haja uma abertura entre elas. "A gente nunca espera que isso vai acontecer com nossos filhos".

Fernanda Paes Leme ainda frisou a importância dos pais brancos educarem crianças brancas para agirem de uma forma diferente. "Tem que orientar, tem que ter essa educação desde criança", afirma.

"Se nós, que somos adultos, não corrigirmos a criança, ela vai crescer uma pessoa homofóbica, preconceituosa, desrespeitosa, ou até mesmo nos bater", refletiu Rebecca. "A gente tem que educar nossos filhos", concluiu.