Ginger Gonzaga, de "Mulher Hulk", celebra representação feminina na série

Prestes a estrear como Nikki em She-Hulk, a atriz Ginger Gonzaga está feliz em fazer parte de um projeto com muita representação feminina. Além dela, a produção conta com o protagonismo de Tatiana Maslany como a versão feminina do famoso personagem da Marvel, interpretado por Mark Ruffalo nos cinemas.

“Estou feliz de ver mais oportunidades para mulheres, especialmente para mulheres não brancas, atrás das câmeras e na frente delas”, conta Ginger em entrevista ao Yahoo. Vale ressaltar que tanto Jameela Jamil, a vilã Titania na série, quanto Anu Valia, diretora da produção, são de origem indiana, e Jessica Gao, a roteirista, possui ascendência chinesa.

“Por muito tempo, eles não estavam contratando mulheres para dirigir. É um fato que é algo constantemente mais difícil. Então eu fico muito feliz quando vejo essas oportunidades. Eu fico feliz de saber que nossa chefe de roteiro é uma mulher, e está comentando sobre as experiências de outras mulheres. É algo inspirador de se ver”, completa Ginger.

Relação com Tatiana Maslany

Na produção, Nikki interpreta uma advogada que é uma das melhores amigas de Jennifer Walters. Ela é a primeira pessoa a saber quando a protagonista se transforma na versão feminina do Hulk, e apoia a amiga desde o início.

A relação das duas é um dos vínculos mais importantes da produção, e Ginger garante que elas também se tornaram amigas na vida real. “Nós ficamos despreocupadas e confortáveis juntas. Ela trabalha como atriz de uma maneira que eu também gosto de trabalhar”, afirma. “Ela é muito vulnerável, honesta e aberta, sabe? Então eu confio nela”, acrescenta Ginger.

Essa é a primeira vez que ela trabalha com Tatiana e já demonstrou estar feliz com a chance de atuar ao lado da atriz que ficou famosa após a série “Orphan Black”. “Não foi difícil ser amiga dela”, revela.

Jameela Jamil, Ginger Gonzaga e Tatiana Maslany na apresentação de
Jameela Jamil, Ginger Gonzaga e Tatiana Maslany na apresentação de "Mulher Hulk" (Foto: Jesse Grant/Getty Images for Disney)

Polêmicas com CGI

“She-Hulk” está prevista para chegar no catálogo da Disney+ na quinta-feira (18), mas já se envolveu em polêmicas antes mesmo da estreia. Quando o estúdio divulgou os primeiros trailers, os fãs e internautas reagiram mal aos efeitos especiais.

Assim como Ruffalo nos filmes, a personagem de Maslany se transforma em um gigante verde forte e poderoso na série - mas o resultado inicial não agradou aos fãs da franquia.

Para Ginger, a maneira de gravar as cenas ao lado da protagonista foi se aperfeiçoando. “Foi um processo interessante entender como tudo funcionava. Nós fizemos [as cenas] de maneiras diferentes. Em algumas vezes, eu olhava para algo na cabeça dela, e às vezes eu estava atuando enquanto ela estava em uma plataforma”, conta a atriz.

Durante a entrevista, ela ainda reforçou que Tatiana se entregou ao personagem, e dava para perceber nitidamente quando ela entrava no modo “She-Hulk”. Agora, basta aguardar o resultado.

“She-Hulk” estreia no Disney+ em 18 de agosto.