Ginecologista é preso após abusar de ao menos 20 mulheres

Médico vai responder por importunação sexual, abuso sexual, violação sexual mediante fraude e assédio sexual. Foto: Pixabay

Um médico ginecologista foi preso pela Polícia Civil de Minas Gerais nesta segunda-feira (16) após ter abusado sexualmente de ao menos 20 mulheres. Edilei Rosa de Novaes, de 74 anos, foi preso preventivamente depois de ser investigado pela Delegacia Especializada de Investigação à Violência Sexual.

As investigações sobre o médico começaram quando veio à tona, em 27 de novembro, o caso de uma mulher de 22 anos que foi vítima de importunação sexual. A vítima denunciou o homem logo após sair de seu consultório em uma maternidade particular de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

Depois da denúncia, ele foi preso em flagrante e liberado em audiência de custódia por ter pagado uma fiança. Poucos dias depois, o inquérito foi concluído e ele foi indiciado. Porém, outro inquérito foi aberto para investigar outras 29 denúncias de pacientes e funcionárias que foram abusadas.

Leia também:

No entanto, alguns casos já devem ter prescrito. Segundo a delegada Juliana Califf, existem casos que aconteceram há 28 anos. Mas, as autoridades afirmaram que vão analisar cada um dos casos de forma separada para verificar qual o tipo de crime que aconteceu e se ele já prescreveu.

Ainda de acordo com informações da polícia, uma menina de 16 anos está entre as vítimas que relatam terem sido abusadas durante consultas. No entanto, esse caso, especificamente, será apurado pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente.

Além disso, a polícia do Estado também cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa e no consultório do médico. Nos locais foram apreendidos dois computadores, um aparelho celular, tablete e pen drive. Agora, o homem irá responder pelos crimes de importunação sexual, abuso sexual, violação sexual mediante fraude e assédio sexual contra as mulheres.