Gillian Anderson relembra seu momento Madame Tussaud no set de "The Crown"

Por Rollo Ross
·1 minuto de leitura
.
.

Por Rollo Ross

LOS ANGELES (Reuters) - Interpretar pessoas famosas cria uma variedade de desafios, e Gillian Anderson sofreu mais do que muitos ao encarnar a primeira-ministra britânica Margaret Thatcher na nova temporada de "The Crown" sem qualquer efeito especial.

Thatcher entra na série da Netflix, que retrata a família real do Reino Unido na transição para os anos 1980, quando a líder polarizadora do Partido Conservador estava no auge do poder.

Anderson disse não ter usado próteses, nem mesmo dentes, mas contado com a linguagem corporal e particularidades de fala para reproduzir a aparência de Thatcher.

"Tudo se resumiu a manter minha boca do jeito certo", contou a atriz. "E também ela tinha maneirismos muito específicos em termos de como inclina a cabeça e como se curva para a frente".

"Você começa a juntar estas coisas e a certa altura acaba no reino de Margaret Thatcher."

Thatcher foi a primeira mulher premiê do país, e seu período de 11 anos no cargo foi o mais longo do século 20. Ela morreu em 2013 com 87 anos.

Lançada no domingo, a nova temporada de "The Crown" cobre a escalada do conflito na Irlanda do Norte e a Guerra das Malvinas, além de retratar o casamento infeliz do príncipe Charles e da princesa Diana, vivida por Emma Corrin.

Anderson disse que a primeira vez que se encontrou com Corrin, quando ambas já estavam com seus figurinos, "foi meio que um momento Madame Tussaud".

A estrela da série "Arquivo X", que cresceu no Reino Unido e nos Estados Unidos, tinha material de sobra para encarnar Thatcher.

"Muitas pessoas a interpretaram e foram elogiadas antes, então é um pouco intimidante", disse ela, referindo-se a colegas como Meryl Streep, que ganhou um Oscar por "A Dama de Ferro".