Ghostwriter do príncipe Harry rebate críticas de que livro está repleto de imprecisões

O ghostwriter do príncipe Harry reagiu às críticas de que o livro de memórias do membro da realeza, 'Spare', está cheio de imprecisões credit:Bang Showbiz
O ghostwriter do príncipe Harry reagiu às críticas de que o livro de memórias do membro da realeza, 'Spare', está cheio de imprecisões credit:Bang Showbiz

O ghostwriter do príncipe Harry rebateu as críticas de que o livro de memórias do integrante da realeza, ‘Spare', está cheio de imprecisões.

JR Moehringer, 58, vencedor do Pulitzer, que também escreveu a autobiografia de Andre Agassi, compartilhou comentários online de que erros “inadvertidos” são comuns em livros, já que “a linha entre memória e fato é tênue”.

O autor, que supostamente recebeu US$ 1 milhão para escrever a obra, tuitou as palavras de Harry: “Seja qual for a causa, minha memória é minha memória... Há tanta verdade no que me lembro e como me lembro quanto nos chamados fatos objetivos.”

Ele acrescentou uma citação de Mary Karr, escritora de 'The Art of Memoir', que dizia: “A linha entre memória e fato é tênue, entre interpretação e fato. Existem erros inadvertidos desse tipo... (sic)”

Erros históricos que Harry foi acusado de incluir em seu livro incluem sua alegação de que ele era descendente do rei Henry VI.

Ele também disse que ganhou um Xbox em 1997, antes do videogame ser fabricado em 2001, e afirmou que o pai de sua esposa Meghan comprou uma passagem aérea México-Londres pela Air New Zealand, que não faz a rota.

Harry ainda foi criticado por dizer que Camilla "sugeriu a Meg que eu me tornasse governador-geral das Bermudas", quando as Bermudas não têm governador-geral.

JR também retuitou um leitor, afirmando: “Vale a pena notar que NO LIVRO, quando Harry fala sobre o Xbox (que ainda não havia sido lançado em 1997), ele afirma explicitamente que não tem ideia se essa memória em particular é verdadeira e explica que a morte de sua mãe mexeu com suas memórias.”

Harry admitiu que sua memória pode ser nebulosa: “Paisagem, geografia, arquitetura, é assim que minha memória funciona. Datas? Desculpe, vou precisar procurá-las. Diálogo? Farei o meu melhor, mas não farei afirmações literais, especialmente quando se trata dos anos noventa.”