'A gente teve melhorias', diz Taís Araújo 10 anos após ser 1ª negra protagonista de uma novela das 8

André Carlos Zorzi
Globo / Divulgação

Taís Araújo é considerada a primeira protagonista negra de uma novela das 8 da Globo, fato ocorrido quando deu vida à personagem Helena, de Manoel Carlos em Viver a Vida, que estreou há 10 anos, em 14 de setembro de 2009.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

O E+ conversou com a atriz sobre sua visão a respeito da questão da representatividade negra em novelas e outras produções desde então.

Leia também:


"Acho que a gente teve melhorias, sim. Na verdade, é uma coisa muito simples de você observar o panorama. É o crescimento da quantidade de atores negros nas novelas 10 anos atrás e agora. O número aumentou consideravelmente", opinou Taís.
A atriz relembrou que, em décadas passadas, atores negros tinham espaço apenas em "novela de época ou então em papéis sem grande importância em termos de dramaturgia".

Arquivo / Estadão

"Quando você fala de um motorista, empregada doméstica, na verdade, não é da profissão que está se falando, está se falando da importância dramatúrgia da personagem dentro daquela obra", ressalta, sobre o comentário.
"Isso realmente era um déficit gigantesco, os personagens estavam lá só para constar, não tinham história, não tinham humanidade. Então, se a gente for contabilizar isso hoje, aumentou e melhorou muito, em número e em qualidade", continua.

A visão de Manoel Carlos, à época

Marcos Arcoverde / Estadão

Ao Estado, em 13 de setembro de 2009, Manoel Carlos, o autor de Viver a Vida, falava sobre a personagem de Taís Araújo (clique aqui para ler a entrevista completa). Confira um trecho abaixo.
Estado: Pela primeira vez, a Helena é jovem e negra. Qual é a importância que você dá a essas duas informações?
Manoel Carlos: Só dou importância ao fato de ser jovem. É natural que todos pensem que o principal é que ela é negra, mas não é. Quando comecei a criar a trama, tive vontade de fazer uma Helena menos maternal, porque todas as minhas Helenas viviam em função dos filhos e da família.
[...]
Cheguei à Taís Araújo porque sempre quis fazer uma novela com ela. Por isso, não importa o fato de ela ser negra. O mais importante é que ela convença como top model, e a Taís, que tem uma beleza internacional, convence.

Estado: Então, a novela não levanta a bandeira dos direitos raciais?
Manoel Carlos: Não, nada. Até pode surgir, porque tenho outros personagens negros. Mas definitivamente não é uma bandeira. E tem mais: os artistas escapam disso. Ninguém fala de um ator negro dando a raça em primeiro lugar. Denzel Washington? Excelente ator. Ninguém diz 'um grande ator negro'. Queria uma profissão que estivesse acima de qualquer conotação racial. Agora, é evidente que, quando saiu a notícia de que a Taís seria a Helena, todo mundo associou: 'vai ser a primeira Helena negra'. Não, será a primeira Helena jovem. Poderia ser japonesa, para mim não faria diferença.

João Miguel Júnior / Globo / Divulgação

Sobre o destaque maior de Manoel Carlos ao fato de Helena ser jovem, em vez de ao fato de ser negra, hoje, a atriz comenta: "Eu entendo o Maneco. Esse desejo, na época, também era um desejo meu - olha que loucura. Puramente por falta de entendimento da sociedade em que a gente vivia e vive".
"Minha ingenuidade era tão grande quanto ao Brasil, que, na época, eu achava que o Brasil era aquele cordial que foi vendido para a gente a vida inteira", prossegue.
Na sequência, conclui: "Uma ingenuidade de que 'não precisa tocar nesse assunto'. E não. Precisa-se sim, tocar nesse assunto, falar nesse assunto. A gente não pode deixar os assuntos serem ignorados enquanto tem coisas a se resolver."

'Nem todo mundo foi escutado'

Para Taís, "a história [do Brasil] não foi contada da maneira certa", uma vez que "nem todo mundo foi escutado."
"Vamos olhar para o Brasil de maneira madura, entender que sociedade é essa e como ela foi realmente construída. Não dá para você ficar glamourizando a época colonial do Brasil. Não há glamour nessa época. Foi uma época bárbara, violenta, horrorosa", completou.

João Cotta / Globo / Divulgação

Em relação às novas gerações, prossegue: "Mudou. Na verdade, a gente está num processo de mudança, né? Se a gente for olhar o número de brasileiros que se declaram negros e o número de brasileiros que tem na televisão, o número não se equipara. Mas negar uma melhora, também, não tem como. De fato, melhorou bem. Mas ainda não é o que proporcionalmente representa a população negra brasileira."

Hoje dona de uma carreira extensa, Taís Araújo começou nas novelas em Tocaia Grande, da Manchete: "Vocês [público] me viram crescer. Viram uma menina e agora estão vendo uma mulher. Fui amadurecendo."

Raimundo Valentim / Estadão

"Me conheceram quando eu não tinha nenhum pensamento amadurecido sobre nada. Mas, se você pegar entrevistas minhas na revista Raça enquanto eu fazia a Xica da Silva, você já vê um entendimento meu - claro, de uma menina de 17, 18 anos, mas que não estava de bobeira", ressalta.

A atriz também lembra a baixa quantidade de atrizes negras na TV durante sua juventude: "Quando eu era pequena, quem tinha era a Zezé [Motta], que tem a idade da minha mãe, [a] Léa [Garcia]... Tinha um distanciamento muito grande de idade entre nós para haver um tipo de identificação."

Rosane Bekierman / Estadão
Globo / Divulgação

Próximos passos

Para o futuro, Taís Araújo acredita que o caminho seria que as emissoras dessem mais oportunidades a profissionais negros por trás das câmeras, em cargos como o de diretor ou roteirista.
"Eu sou super esperançosa nesse sentido. Acho que as empresas já estão começando a entender o quanto é importante você contar histórias sobre os diversos pontos de vista. Estou falando sobre isso porque acho que grande parte da grande mudança que acho que a gente tem que ter são criadores, escritores, diretores negros. Para que a nossa história seja contada pelo nosso ponto de vista, e não pelo ponto de vista do outro", afirma.

Fábio Rocha / Globo / Divulgação

Em seguida, exemplifica: "Isso já acontece muito na televisão. Por exemplo, se você vai escrever o papel de um personagem de origem judaica, o que vai acontecer? Você vai recorrer a um rabino, a alguém que conheça daquela cultura para escrever ou dar alguma assessoria para que não se cometa nenhuma gafe, falta de respeito."
Taís também acredita que é preciso "reconhecer o desconhecimento sobre a cultura do outro."

Marcos Arcoverde / Estadão

"Acho que isso ainda não acontece muito com a população negra. As pessoas acham que entendem tudo sobre população negra e podem escrever sobre a população negra, mesmo não sendo negro e não tendo a vivência de uma pessoa negra no País", continua.
"Quem ganha é a dramaturgia, somos todos nós. Ganha histórias e pontos de vista diversos, enriquece", conclui.

'Sou a exceção'

Taís Araújo também reafirmou que se considera uma "exceção" no que diz respeito à realidade brasileira: "Eu não valho para nada. A exceção só serve para confirmar a regra. [...] Tive a chance de estudar em colégios bons, particulares, tradicionais, falo inglês, espanhol." "Se você me pega e coloca como exemplo... Não sou exemplo de nada, sou a exceção", conclui.

Viver a Vida

João Miguel Júnior / Globo / Divulgação

Em Viver a Vida, Taís Araújo interpretou a protagonista Helena, que, ao longo da trama, casou-se com Marcos (José Mayer) e, posteriormente, envolveu-se em um romance com o fotógrafo Bruno (Thiago Lacerda).

A família de Helena na trama era composta por seus pais, Edite (Lica Oliveira) e Oswaldo (Laércio de Freitas) e seus irmãos, Sandrinha (Aparecida Petrowki) e Paulo (Michel Gomes).

João Miguel Júnior / Globo / Divulgação

Casada com Marcos, ela enfrentava problemas com a família do marido, especialmente por parte de Teresa (Lília Cabral) e Luciana (Alinne Moraes), que, posteriormente, sofreria um acidente, ficando tetraplégica.

Zé Paulo Cardeal / Globo / Divulgação