Geisy escreve segundo livro na quarentena e comemora: "Mais pesado"

Amanda Caroline
·2 minuto de leitura
Geisy planeja lançar 'Desejo Proibido' em julho (Foto: Reprodução/Instagram @geisy_arruda)
Geisy planeja lançar 'Desejo Proibido' em julho (Foto: Reprodução/Instagram @geisy_arruda)

Geisy Arruda é “gente como a gente”: tem altos e baixos na quarentena, mas o trabalho continua e a modelo e escritora finalizou seu segundo livro de contos eróticos durante isolamento social. Em entrevista ao Yahoo, a musa conta que ‘Desejo Proibido’ deve ser lançado em julho em versão online.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

A nova obra de Geisy não é uma continuidade de ‘O Prazer da Vingança’. Segundo ela, trata-se de uma obra “mais adulta” com 13 capítulos e histórias que abordam a prática do BDSM, sexo grupal e mais fetiches. “Agora a minha personagem viaja, faz sexo no avião, vai para a Argentina e faz suruba no tango. Tem podolatria, usa cinto de castidade... Nunca é só ‘papai e mamãe’. O mundo do sexo é muito grande, nunca vamos conseguir falar sobre tudo”, diz a morena.

Leia também

“Está mais pesado, entra em algumas feridas. Saiu daquela coisinha mais bobinha, está mais ‘trash’”, diz. A modelo pretende fazer uma live para celebrar o lançamento do livro de contos.

O livro ainda conta com fotos exclusivas de Geisy Arruda, que se esforçou para dar vida à publicação em dois meses e durante o período de reclusão em que vivemos. “Escrevia dois contos em uma noite e não fazia nada na semana seguinte. Tenho altos e baixos horríveis na quarentena. Sofro de ansiedade e estou me medicando”, conta. “Devo lançar um livro a cada seis meses. Quando estávamos começando a produção de ‘Desejo Proibido’, começou a quarentena”, completa.

Ela também desabafa sobre a realidade brasileira. “É muito complicado quando você liga a televisão e vê o que está acontecendo”, reflete. Geisy diz que chorou com a morte do menino Miguel em Recife (PE). “Tem que ser muito alienado para não se sentir mal”, finaliza.