Geisy Arruda critica Bolsonaro: "Consigo ter a raba grande e não ser alienada"

Foto: Reprodução/Instagram/@geisy_arruda

Geisy Arruda causou polêmica após publicar vários posts sobre a situação política do Brasil em suas redes sociais. A influenciadora, que é a favor do isolamento social, criticou o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

Segundo ela, as academias não deveriam ser consideradas serviços essenciais. “Adoraria treinar porque estou inchada e já engordei uns três quilos na quarentena. Porém, tenho bom senso e cérebro. Não tô a fim de pegar Covid-19 em meios aos aparelhos com suor”, iniciou Geisy.

Leia também

Em outra publicação, a modelo falou que ganha dinheiro com a internet e depende da academia para trabalhar, mas ainda assim prefere continuar em casa. “Tem aglomeração, suor, compartilham aparelhos, bebedouro, vestiários, e o contágio do Covid seria super rápido. Tô começando a achar que esse homem (Bolsonaro) quer matar o povo mesmo. Tipo, que fique só os que tem ‘sorte’ na vida”, continuou.

Apoiadores de Bolsonaro não concordaram com o texto e criticaram Geisy Arruda. Um seguidor disse que ela deveria continuar “mostrando a bunda” ao invés de falar sobre política na internet. A moça, então, voltou a se explicar. “Eu, como a mina fod* que sou, consigo ter uma raba grande e não ser uma alienada, como cidadã e mulher da minha vida falo o que eu quero. Inclusive de política!”, rebateu.

Após a resposta repercutir, Geisy disse que a maioria dos homens são ruins de cama e por isso vivem reclamando. Ela também falou que os eleitores de Bolsonaro podem deixar de seguir suas redes sociais. “Gados do Bolsonaro, podem parar de me seguir! Não farão falta, deem adeus a minha bunda e vazem! (...) Essa gente não serve nem para ter como número”, escreveu.