Geisy fala sobre relação com o corpo e "padrão Marquezine": "Sou muito cobrada"

Geisy Arruda é gente como a gente: empoderada, a modelo foge dos padrões de beleza e faz questão de pregar por aí que todas as mulheres são lindas. O irônico é que ela, apesar de usar sua visibilidade para discutir pressão estética, ainda é alvo de críticas por causa do corpo.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

A morena conta em entrevista ao Yahoo que não luta contra a balança, principalmente na quarentena — “nesse momento, o importante é ter saúde”, afirma —, mas a cobrança para ter o físico magro é constante.

Leia também

“Sou cobrada o tempo todo. Nós somos muito cobradas em relação à estética. Vendem uma beleza para a gente, um ‘padrão Bruna Marquezine’, que é muito difícil de ter. E você começa a achar que se você não tem os ‘gominhos’ da Bruna Marquezine, você não é linda”, reflete.

Geisy chama atenção para a importância da união feminina (Foto: Reprodução/Instagram @geisy_arruda)
Geisy chama atenção para a importância da união feminina (Foto: Reprodução/Instagram @geisy_arruda)

Ela diz que está “bem longe” de ter o abdômen da Bruna Marquezine e que se sente poderosa na própria pele. “Bruna tem a beleza dela e você tem a sua. Há quem goste da Bruna e há quem goste do seu jeito também”, garante.

E nem sempre a autoestima de Geisy está lá no alto. Quem nunca passou por dias ruins? “Não sou mulher fatal o tempo inteiro”, admite. “No meu período de menstruação, por exemplo, eu fico um caco. É uma sensação terrível. Fico inchada, com espinhas... Mas acontece. Abro um vinho, lembro de um dia legal, de uma viagem legal, acendo um incenso e coloco essa energia para fora”, conta.

Sororidade

Em meio à loucura das redes sociais, o que mais deixa Geisy chateada são os ataques que partem de mulheres. “Me magoa muito saber que a gente não consegue se respeitar. Na prática, a sororidade está bem longe de ser algo possível. Nossa sociedade é muito machista e as nossas mulheres foram criadas de uma forma muito machista. As mulheres enxergam as outras como inimigas. A gente precisa se juntar, se unir para controlar o mundo”, dispara.

Confira o bate-papo completo com Geisy Arruda:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.