1 / 6

Gatinha abraça carteiro

Reprodução/Mike McEuen

Gata não deixa carteiro ir embora antes de um "abraço"

Uma das partes mais difíceis em ser carteiro é lidar com os animais de estimação dos donos das casas por onde passam. Existe a clássica imagem desses profissionais correndo dos cachorros mas quando são gatos, a história é diferente.

Leia mais: Gata acorda família após seu humano favorito sofrer ataque do coração

Pelo menos no caso de Mike McEuen, carteiro que trabalha na região de McKinleyville, na Califórnia. Ele se tornou amigo de Bijou, uma gatinha já idosa que vive em uma das casas em sua rota.

“Existem alguns cachorros que eu adoro ver e alguns que já conhecem o barulho da porta do meu caminhão abrindo. Quando tenho tempo, eu gosto de pelo menos dar um oi para eles. No entanto, Bijou é a única gata na minha rotina que parece fazer questão da minha visita toda vez que passo por lá”, contou Mike ao The Dodo.

Ele conheceu a gata há quatro anos, quando começou a atender a região onde a bichana mora. Apesar do visual intimidador de Bijou, que tem um problema em um dos olhos e o rabo cortado, ela sempre foi descrita pelos outros carteiros como “a mais adorável de todas”.

“Quando a conheci pela primeira vez, minha primeira impressão foi de uma gata velhinha e doce que parece ter passado por muitas coisas difíceis. Comentei sobre ela com um colega de trabalho e ele disse: ‘sim, é a Bijou. Ela é a melhor'”.

O encontro entre os dois acontece uma vez por semana e Bijou não deixa Mike partir sem antes dar um abraço no amigo. “Em algum momento no ano passado, ela começou a ir até meu caminhão. Depois de alguns meses farejando a porta, ela começou a entrar e ficar confortável no banco do passageiro. Agora ela só sai quando eu termino de entregar todas as correspondências”.

Leia mais: Gato anda quase 20 quilômetros para voltar para casa da família que o abandonou

E não adianta tentar tirá-la de dentro do caminhão. “Eu aprendi que eu não posso tentar tirar ela de lá porque ela se mantém firme e protesta até que eu a pegue e faça carinho. Depois disso, ela fica feliz em voltar para casa para esperar nosso próximo encontro”.