Em 4º reajuste no ano, gás de cozinha aumenta 5% nesta sexta

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Gás de cozinha tem aumento de 5%. Foto: Pedro Ventura / Agência Brasília
Gás de cozinha tem aumento de 5%. Foto: Pedro Ventura / Agência Brasília
  • Botijão de 13 kg vai sair das refinarias custando R$ 41,68

  • Última modificação no preço havia sido em 1° de março

  • BC prevê pico inflacionário de mais de 7% em maio deste ano

O preço médio de venda do gás liquefeito de petróleo (GLP) vai aumentar em 5% para as distribuidoras nesta sexta-feira (2). A medida foi anunciada pela Petrobras e é o 4º reajuste realizado pela petrolífera desde o início do ano.

O valor passará a ser de R$ 3,21 por quilo, com um aumento médio de R$ 0,15 por quilo, valendo tanto para o uso em indústrias quanto para o uso doméstico. Na prática, o botijão de 13 kg, mais comum nos lares brasileiros, vai sair das refinarias custando R$ 41,68.

Leia também:

Na semana passada, o preço médio do gás de botijão de 13 quilos variou entre R$ 81 e R$ 93, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). O valor mais alto encontrado foi de R$ 120 no Centro-Oeste.

Gás pressiona inflação

A empresa justifica o aumento dizendo que "os preços praticados pela Petrobras têm como referência os preços de paridade de importação, dessa maneira, acompanham as variações do valor do produto no mercado internacional e da taxa de câmbio, para cima e para baixo".

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A última modificação no preço havia sido feita em 1° de março. A alta no gás de cozinha é apontada pelo Banco Central (BC) como um dos motivos para a aceleração da inflação neste ano, assim como os reajustes na gasolina, diesel e etanol.

O BC prevê pico inflacionário de mais de 7% em maio deste ano, com a inflação fechando em 5%, acima do centro da meta, de 3,75%. A margem de tolerância vai até 5,25%. Além do gás de botijão, a alta dos medicamentos, anunciada na quinta-feira, 1º, deve aumentar o impacto nos preços.