Garoto de 9 anos resiste ao câncer para ver irmã nascer e morre dias depois do parto

Garotinho luta para ver irmãzinha nascer – Reprodução/Lee Cooper/People

Durante um ano e três meses, o inglês Bailey Cooper lutou contra um câncer chamado Linfoma não Hodgkin. A doença surgiu em 2016 e os médicos haviam dito que o menino teria apenas algumas semanas de vida.

Receba novidades sobre o mundo dos famosos (e muito mais) no seu Whatsapp

Quando os pais lhe deram a notícia de que ele teria uma irmãzinha, ele de pronto disse que não partiria sem conhecê-la. “Quando demos a notícia para o Bailey a primeira coisa que ele disse foi: ‘ahn não! Eu não vou conhecer minha irmã!’. Sua única preocupação era que não iria conhecer a irmãzinha”, disse Lee Cooper, pai de Bailey, à People.

A notícia da chegada da irmã o fez ficar mais determinado com o tratamento e ele fazia questão de demonstrar seu afeto pela pequena Millie. “Ele foi maravilhoso. Ele fazia questão de estar sempre por perto da mãe. Fazia carinho na barriga, tentava ouvir a bebê na barriga. Cantava para a irmã para que ela se familiarizasse com a sua voz”, completa Lee.

Leia mais: Vítima de câncer, garotinho de 5 anos pede desculpas para a mãe antes de morrer

O menino disse aos familiares que faria de tudo para conhecer a irmã e sua palavra teve força, já que ele surpreendeu os médicos sobrevivendo mais que o esperado. Millie nasceu no dia 30 de novembro de 2017 e as fotos mostram Bailey orgulhoso segurando-a nos braços.

Garotinho luta para ver irmãzinha nascer – Reprodução/Lee Cooper/People

“Ele veio ao hospital e se sentou. Ele estava ficando bastante frágil, mas quis segurar a irmã. E quando a segurou, não a largou mais. Ele estava encantado pela irmã”.

Quase um mês depois do parto, Baylei perdeu a batalha contra a doença e faleceu no dia 24 de dezembro de 2017. Mas antes de partir, ele aproveitou ao máximo a companhia da irmãzinha. “Nos poucos dias que teve com a irmã, ele a segurou no colo todos os dias. Ficava sempre ao seu lado, lhe dava banho, trocava sua fralda, cantava para ela todos os dias até ele não conseguir mais fisicamente”.

Leia mais: Com bom humor, garotinho de 5 anos emociona ao escrever o próprio obituário

Agora, os pais fazem questão de manter a memória do filho viva para que a pequena Millie se lembre para sempre dele. “Falamos sobre o Bailey para ela todos os dias. Ela até já reconhece o irmão nas fotos! Ela certamente vai saber sobre quem foi o irmão e o quanto ele a amava”.