Gal Gadot diz que chorou vendo cena de “Mulher-Maravilha 1984”

Gal Gadot divulga “Mulher-Maravilha 1984” em São Paulo. Foto: Manuela Scarpa/Brazil News

Por Natalia Engler

A atriz israelense Gal Gadot já está na pele da Mulher-Maravilha desde 2016, quando estreou como a heroína em “Batman vs Superman”, mas isso não significa que não se emocione como qualquer fã da personagem.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

“Tem uma sequência específica nesse filme que, quando eu vi, de repente eu não era mais Gal Gadot, a atriz que interpreta a Mulher-Maravilha, mas uma mulher vendo uma personagem fazendo coisas incríveis de um modo como eu nunca tinha visto. E comecei a chorar”, contou Gal, sem dar mais detalhes sobre de que cena se tratava, durante entrevista coletiva sobre o filme “Mulher-Maravilha 1984” realizada em São Paulo neste domingo (8).

Leia também:

“Comecei a chorar e liguei para o meu marido pra contar, disse pra ele que não sabia se ele ia se emocionar dessa forma, porque os homens sempre puderam ver isso no cinema. É louco que as mulheres não tivessem isso até fazermos ‘Mulher-Maravilha’. Chorei e depois liguei pra Patty [Jenkins, diretora do filme] e chorei de novo”, disse.

Depois dos anos cinzentos da Primeira Guerra Mundial, Diana agora será vista em meio aos coloridos e exagerados anos 1980, como sugere o título do novo filme. Gal e Patty Jenkins contaram um pouco sobre onde encontraremos Diana dessa vez.

“Como fã da Mulher-Maravilha, eu queria ver ela sendo a Mulher-Maravilha, porque ela só se torna a Mulher-Maravilha no fim do primeiro filme. Tem muito em comum com o primeiro filme, mas realmente aquela era uma época mais pesada, com a Primeira Guerra, e foi divertido poder levar vocês pra esse outro período”, disse Patty.

“Tinham os cabelos, as roupas, os sets que realmente nos levaram pros anos 1980. Era incrível. Os sets eram enormes e muito reais. Um deles era um shopping enorme nos Estados Unidos, com mais de 200 figurantes que pareciam ter saído direto dos anos 1980. Voltamos no tempo. Tem algo elétrico nesse filme”, completou a intérprete.

Patty Jenkins e Gal Gadot divulgam “Mulher-Maravilha 1984” em São Paulo. Foto: Manuela Scarpa/Brazil News

Sobre a jornada de Diana, Gal contou que ela estará mais sozinha dessa vez. “O primeiro filme foi sobre como ela se tornou Mulher-Maravilha, veio pro mundo dos homens, se sentiu um peixe fora d’água e começou a aprender sobre as complexidades da humanidade. Agora, alguns anos depois, ela está mais ambientada, continua protegendo a humanidade, mas está sozinha, perdeu seus companheiros pelo caminho”, explicou.

A atriz também revelou uma novidade: Diana não empunhará mais sua espada no novo filme. “Decidimos deixar a espada pra lá, porque tem algo muito agressivo em carregar uma espada, se você tem uma espada, você deve usá-la. E não achamos que o escudo era necessário também. Ela é uma deusa, ela tem suas habilidades, tem o laço da verdade, então ela não precisa de armas”, contou.

Patty, que dessa vez teve ainda mais controle criativo e assina como produtora e roteirista (ao lado de David Callaham, a partir de uma ideia desenvolvida em parceria com Geoff Johns, ex-presidente da DC Comics), também fez um anúncio: ainda não tem nada concreto para um terceiro filme da heroína, mas está trabalhando em um longa focado nas Amazonas. “Provavelmente não vai ter a Gal e eu não vou dirigir, só produzir, mas amo minhas Amazonas”, disse.

“Mulher-Maravilha 1984” também tem no elenco Kristen Wiig como a vilã Cheetah e Pedro Pascal como Maxwell Lord. Chris Pine volta como Steve Trevor, embora não se saiba como o personagem vai retornar após sua morte em “Mulher-Maravilha”, e também se espera participações de Connie Nielsen (rainha Hipólita) e Robin Wright (Antíope).

A estreia no Brasil está programada para 4 de junho de 2020. O primeiro teaser foi divulgado no sábado (7), com cenas de Diana desviando balas com seus braceletes e usando o laço da verdade contra alguma ameaça não identificada. O trailer completo sai neste domingo, durante o painel do filme na CCXP.