Gabily reclama de preconceitos no funk: "Vistas como mulheres sem valor"

Gabily escolheu se dedicar ao funk desde adolescente, e explicou que mesmo após a fama, continua sofrendo preconceito pro ter decidido se dedicar exclusivamente ao gênero.

"Sofro bastante preconceito ainda. Somos vistas como uma mulher de menos valor. Quando me apresentei nesse ano no Prêmio Multishow, estavam gravando na plateia e saíram vários comentários ao fundo do vídeo. 'Essa daí só sabe rebolar' ou 'só canta putaria'", lamentou ela.

Gabily explicou que parou de se incomodar, e que aprendeu que terá que lutar com mais empenho para conseguir o que deseja. "Comentários tirando meu mérito de estar numa premiação importante por conta do meu trabalho. Acontece direto, é uma coisa bem comum, mas não me chateia mais. Eu costumo não levar mais para o coração. Eu sei qual é a minha missão de estar aqui, se Deus quiser vou deixar meu legado", completou.

Clipe com Kevin

A parceria com MC Kevin no clipe de "Bilhete Premiado", lançado em junho de 2021, acabou sendo o último encontro da cantora Gabily com o funkeiro, que morreu ao cair da varanda do quinto andar de um hotel no Rio de Janeiro no dia 16 de maio de 2021. Segundo a artista, as conversas mais recentes dos dois tiveram uma declaração mútua de admiração e um tom de despedida que ela só agora reconhece.

"Hoje, relendo minhas conversas com ele, quando a gente conversou, eu disse: 'Que bom que deu tempo de a gente trabalhar junto, realmente se conhecer melhor, estar um na vida do outro'. Ele falou a mesma coisa: 'Você já está no meu coração, tem a minha amizade. Eu só aceitei porque quero estar sempre com pessoas de boas energias. Tua energia é igual à minha'. Parecia o tempo todo que a gente estava numa despedida, sabe? E eu pude declarar toda a minha admiração por ele antes de ele partir. Fiquei muito feliz com isso", afirmou, em entrevista ao jornal "Extra".

Por uma coincidência trágica, a gravação foi feita no mesmo hotel onde o músico de 23 anos morreu. A notícia pegou Gabily de surpresa enquanto jantava com amigos em São Paulo.

"Praticamente desmaiei dentro do restaurante. Foi uma sensação horrível. Comecei a chorar, fiquei desesperada. Mandei mensagem pra ele, pra mãe, pro produtor, pra todo mundo, atrás de informações. Eu tinha recebido a informação do Gabriel, que era o braço-direito dele. Ele ainda me disse que o Kevin estava com vida, estava internado, mas o estado dele não era bom. E 20 minutos depois recebi a notícia do falecimento dele", recordou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos