Gabi Melim diz que álbum 'Amores e Flores' é extensão da personalidade da banda

MARIANA ARRUDAS
·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* RIO DE JANEIRO, RJ, 06.09.2019 - Show da banda Melim no Rock in Rio. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
*ARQUIVO* RIO DE JANEIRO, RJ, 06.09.2019 - Show da banda Melim no Rock in Rio. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - "Amores e Flores" é o mais recente álbum da banda Melim, lançado na semana passada e gravado em Los Angeles. A obra integra a segunda parte de "Eu Feat. Você", de maio de 2020. A nova produção traz uma releitura de "O Bem", de Arlindo Cruz, além de mais seis músicas, sendo uma faixa homônima.

Gabi Melim, 26, afirma que as músicas inéditas são completamente autorais e funcionam como uma extensão da personalidade da banda. "Transitamos por vários sentimentos musicais que influenciam a Melim, um misto de coisas, o reggae, a MPB, o pop", diz a cantora, em entrevista à Folha de S.Paulo. "Espero que de alguma forma nós consigamos ser uma trilha sonora para os bons momentos."

"E pensando nisso, nós escolhemos 'Possessiva' como a nova música de trabalho, que é super-romântica e alegre", diz Rodrigo Melim, 28, sobre a canção lançada na última sexta-feira (22) junto com seu clipe. "Decidimos fazer três pares românticos, e pela pandemia, nós gravamos sem sair de casa. Isso também tem a ver com a letra da música", comentou o integrante da banda sobre o novo clipe.

Sobre a extensão de "Eu Feat. Você", os irmãos contam que sempre tiveram vontade de fazer projetos audiovisuais e que viajar para Los Angeles, na Califórnia, Estados Unidos, foi fundamental para ficarem imersos no trabalho. "Gostei muito dessa experiência e eu penso que nas próximas, vou sugerir isso para a galera", afirma Diogo, 28, sobre fazer viagens para gravar novas músicas.

Além de já terem tido essa experiência na gravação do clipe de "Gelo", o qual a banda viajou para o Chile, Diogo conta que Los Angeles tem uma energia parecida com a da Melim. "Lá tem um lance da praia, bem solar, com muitas coisas grandiosas, bonitas, os muros lá são grafitados. E de certa forma, o lugar também influencia na hora de fazer um disco", comentou o cantor.

E as expectativas do trio estão lá em cima, já que a primeira parte do novo álbum, "Eu Feat. Você", foi indicada ao Grammy Latino, na categoria de melhor álbum de pop contemporâneo. Os irmãos contam que foi uma surpresa e que foi especial terem sido convidados a cantar na premiação. "Demorou para cair a ficha que nós que viemos de Niterói e ganhamos o Brasil com o nosso som e depois chegamos nessa escala", conta Gabi.

"Foi aquilo que você não espera. Fiquei muito feliz mesmo, temos que reconhecer o tamanho da premiação, e mais do que ser indicados nós fomos um dos poucos artistas que se apresentaram no Grammy", completou Rodrigo sobre a performance feita na premiação em 2020, em que eles cantaram no topo de um prédio.

Diogo também falou que, logo após a apresentação no Grammy Latino, a banda recebeu um convite do músico Paul McCartney, 78, para cantar em seu novo álbum "McCartney 3" lançado em 2020. "Ele convidou um artista de cada país, penso que foram 12, e nós fomos os artistas do Brasil a sermos escolhidos para cantar uma música dele", contou.

Apesar do sucesso, o trio também comentou que trabalhar entre irmãos nem sempre foi fácil, Gabi brinca que "o bicho pegava, com amor, mas pegava". Porém, atualmente eles contam que encontraram uma maturidade e que "a parte da família é a parte boa", nas palavras de Diogo. Para eles, é um processo natural porque a música já fazia parte da vida dos irmãos desde sempre.

Eles contam também que o momento da pandemia do coronavírus, apesar da tristeza, foi importante para a organização da banda. "Mantivemos toda a nossa equipe e conseguimos nos manter unidos, firmes e fortes, principalmente quando a vida se balança um pouco", diz Gabi.

Sobre novos projetos, o trio diz que agora quer focar em "Amores e Flores", mas Gabi Melim brinca que sendo "um pouquinho mais fofoqueira", para um futuro a banda pensa em um documentário. Para um futuro mais próximo, eles esperam que os shows possam voltar a acontecer. "Nada é mais intenso e verdadeiro que a conexão humana", complementa a cantora.

"Independentemente se a música vai ter visualizações, se vai fazer sucesso ou não, nós sempre pensamos em fazer música para poder ser uma ferramenta, e fazer parte da vida das pessoas", diz Rodrigo. E essa é a essência da banda Melim, que por fim, deixou muito carinho para os fãs e desejos de que seu novo trabalho possa tocar a vida de muitas pessoas, através da arte e do amor.